Alunos de Alcobaça iniciam ano letivo sem mochilas escolares

Ao contrário do que seria de esperar, os alunos dos agrupamentos de escolas do concelho de Alcobaça começaram as aulas sem receber as mochilas escolares, oferecidas no âmbito do Plano de Ação Social Alargada.

À exceção das mochilas, o restante material escolar foi entregue aos alunos do 1.º e 2.º ciclos. De acordo com a vereadora da Câmara, “todos os materiais da lista já foram entregues, com exceção das mochilas, devido a um problema alheio à Câmara”. Inês Silva refere também que “os encarregados de educação estão a par do sucedido e têm indicação para efetuar o levantamento das mesmas, no dia 15 deste mês”. Até lá, “não resta outra opção aos alunos a não ser usar a mochila do ano anterior". Já aqueles que usufruem da iniciativa pela primeira vez, foram obrigados a encontrar outra alternativa para transportar o material.

O vereador do CDS-PP, Carlos Bonifácio, foi uma das vozes que manifestou o seu desagrado, ao ter constatado que não havia condições para efetuar a distribuição pretendida no início do ano escolar. “Este
facto ofuscou o objetivo da iniciativa, desde logo porque os alunos não podem ficar um mês sem mochilas e os pais são desta forma forçados a fazer a respetiva aquisição”, criticou o vereador, para quem “ficaram defraudadas as expectativas, pelo que a Câmara tem que acautelar no futuro esta situação, em sede de concurso para que não se volte a repetir”.

O vereador eleito pelo PS, César Santos, também considera a situação "grave", embora compreenda que "a logística por vezes falhe". O socialista afirma que "já foram pedidas explicações em reunião de câmara e ainda não veio a resposta" e não deixa de lamentar o sucedido: "o transtorno será sobretudo para as crianças, que andam três semanas, pelo menos, sem mochila".

Em declarações anteriores, o presidente da Câmara de Alcobaça, Paulo Inácio, havia mencionado a importância desta medida, em matéria de política social. Numa época financeiramente desafiante para as famílias, a autarquia tem vindo a garantir, desde 2015, todos os materiais e manuais necessários aos alunos do 1.º ciclo, abrangendo agora o 2.º ciclo. Dos planos para o futuro é conhecida a pretensão de alargar a medida até ao 3.º ciclo.