Ganhar o Festival da Canção Cristã é com estes jovens

O Grupo de Jovens da Paróquia de Alfeizerão começou a aprender a cantar e a tocar instrumentos quase por acaso ou por necessidade do grupo. Mas, a verdade é que, em maio, os jovens sagraram-se pentacampeões do Festival da Canção Cristã, organizado pela Vigararia Alcobaça-Nazaré.

Tudo começou quando os irmãos Selma e Diogo Amaro e João Marques participaram pela primeira vez no festival, desafiados por Diamantino Faustino, então pároco de Alfeizerão. Desde então já passaram mais de 16 anos e a conquista de sete títulos de campeão do festival da canção cristã já ninguém lhes tira. 

Se no início o objetivo era “ganhar”, ao longo dos anos, e à medida que novos membros se foram juntando ao grupo, os músicos passaram a ter como prioridade “dar o exemplo aos mais novos, apoiá-los e incentivá-los”, adianta Selma Amaro.

Atualmente, a banda conta com oito elementos, com idades compreendidas entre os 16 e os 35 anos, e com uma vasta gama de instrumentos. Desde o órgão ao baixo, passando pelo cavaquinho e pela guitarra, os músicos foram aprendendo e acrescentando novos instrumentos à formação de forma a “cobrir lacunas” que iam aparecendo. “Por vezes tínhamos músicas nas quais pensávamos que ficava muito bem um cavaquinho, então um de nós esforçar-se-ia para aprender a tocar”, conta a mentora do grupo, aos 35 anos.

Como não podia deixar de ser, as músicas do festival têm um “elevado cariz religioso”. Daí que as letras sejam também de índole católica. Já a sua composição, conta uma das responsáveis pelo grupo, costuma “ser feita individualmente, quase sempre após um período de oração ou reflexão”. Daí que muitos originais dos alfeizerenses surjam no seguimento de um retiro espiritual. No entanto, há sempre um fio condutor que liga todas as músicas: “a convivência diária com a fé cristã”, explica Selma Amaro.

Além de campeões em título, a banda do Grupo de Jovens da Paróquia de Alfeizerão é também campeã da “regularidade”. Há quase uma década que os membros que integram atualmente a banda tocam juntos e tem, provavelmente, em Selma Amaro, a participante “mais antiga” destas andanças.

Com mais de três dezenas de canções originais e já com vários concertos dados, o grupo já pensou por diversas vezes em gravar um álbum. Contudo, acabam por encontrar sempre a mesma dificuldade: “é preciso muito dinheiro”. A fundadora da banda lamenta que “seja preciso tanto dinheiro” e que não tenham até agora conseguido reunir todos os apoios necessários. Ainda assim, a enfermeira de profissão não baixa os braços e não desiste do sonho de “registar” o trabalho para a posteridade.

Com a vitória, a quinta consecutiva, os jovens de Alfeizerão vão representar a Vigararia no festival diocesano de Lisboa, onde “esta competição é muito forte”, talvez a “mais forte do País”, pelo que Selma Amaro não está à espera de repetir o 2.º lugar conquistado há quatro anos. Mas como o mais importante não é vencer, os jovens de Alfeizerão prometem continuar a espalhar a “vontade de Deus” e os valores da união e amizade.