PSD e PS em queda em Alcobaça

Os dois partidos com maior expressão eleitoral em Alcobaça estão em queda, sendo que nas últimas eleições autárquicas obtiveram um dos piores resultados de sempre no concelho numa análise ao número total de votos.

Em 2013, o PSD, com Paulo Inácio, recuou para os 9.564 votos (36,1%), a segunda votação mais baixa de sempre do partido em Alcobaça, apenas superada pela candidatura de Fernando Malhó em 1993, que se ficou pelos 8.913 votos (30,18%). Pior só quando o partido integrou a AD nas primeiras eleições autárquicas, em 1976, quando captou a preferência de 7.187 eleitores.

Há quatro anos, o PS, com José Canha como cabeça de lista, baixou para os 5.247 votos (19,8%), um resultado suficiente, todavia, para manter os dois lugares na vereação que José Acácio Barbosa conseguira recuperar em 2009, quando obteve 6.231 votos (20,9%). Ainda assim, a votação dos socialistas em 2013 foi a segunda pior de sempre no concelho, apenas superada, pela negativa, pelo score de Daniel Adrião em 2005, quando o PS recolheu 5.031 votos (17,1%) e, pela primeira e única vez na história, ficou reduzido apenas a um vereador no executivo municipal.

Os dois únicos partidos que já foram poder no concelho estão cada vez mais longe das votações históricas que já obtiveram em eleições autárquicas em Alcobaça. Em 2005, na última vez em que se candidatou, José Gonçalves Sapinho arrasou a concorrência, chegando aos 16.185 votos (55,1%) e elegendo cinco vereadores, um resultado ligeiramente superior ao de Joaquim Rui Coelho, em 1985, que chegou aos 15.626 votos (64,87%), naquela que foi a vitória mais expressiva de sempre do PSD no concelho em termos percentuais.

Quanto ao PS, a história revelou-se cruel, dado que os socialistas apenas venceram a Câmara em três ocasiões e sempre com Miguel Guerra na presidência. O histórico socialista atingiu a melhor votação de sempre do partido em 1993, com 15.089 votos (51,10%), depois de ter conquistado uma maioria relativa quatro anos antes. Contudo, não se pense que Miguel Guerra venceu todos os combates eleitorais, porque o antigo presidente da Câmara perdeu as eleições de 1979 – mesmo tendo subido a votação em 1.328 votos... – e “cedeu” a presidência a Gonçalves Sapinho em 1997 – quando perdeu quase metade do eleitorado.