Rádio AECister coloca alunos do Agrupamento “no ar”

Os corredores e as áreas comuns da Escola Secundária D. Inês de Castro, em Alcobaça, ganharam nova vida com as emissões da AECister.fm. Com música, programas informativos ou de entretenimento, há animação garantida durante os intervalos e os períodos em que não há aulas. As emissões da rádio do Agrupamento de Escolas de Cister começaram no dia 26 de fevereiro e, desde então, têm captado a atenção de toda a comunidade escolar.

São mais de três dezenas de alunos, de todos os anos de escolaridade e de todos os cursos, que se ocupam em transmitir os melhores conteúdos para os colegas. “Este é um projeto de todos”, começa por garantir Duarte Machado, um dos responsáveis pelas primeiras emissões. “Quando um coloca um pouco de si na rádio, que ganha muito com o contributo de todos”, acrescenta o aluno do 10.º ano de escolaridade.

A ideia de criar uma rádio escolar surgiu, no ano passado, no âmbito do Orçamento Participativo das Escolas. A aluna responsável pela criação do projeto progrediu nos estudos, ingressou no ensino superior, e era preciso que alguém tomasse as rédeas da rádio. Um grupo de alunos “chegou-se à frente” e concretizou o projeto, adquirindo “todo o material necessário”, nomeadamente “colunas, microfones, mesa de mistura e auscultadores”. 

O processo ficou concluído no final do ano passado e o material adquirido chegou já em 2018. A montagem de todo o “sistema” decorreu durante as férias do Carnaval, quando um grupo de alunos prescindiu do tempo de descanso para “estender fio e colocar colunas” numa grande parte da escola. 

Para António Castro, aluno do 10.º ano do curso de Artes Visuais, a rádio é “partilha”. “Quando estamos na rádio estamos a partilhar algo com os nossos colegas. Não só o tempo mas também os nossos gostos musicais”, refere o jovem que equaciona um futuro profissional no mundo da rádio. “Os gostos e as preferências de todos complementam-se”, acrescenta Duarte Machado.
“Há muitas maneiras diferentes de aprender”, sublinha José Mendes, outro dos responsáveis pela revitalização de um projeto que já tinha existido na escola “há muitos anos”. Mas era preciso fazer tudo de novo. “Mesmo que não queiramos um futuro ligado à informação ou à rádio temos muito a aprender com mais esta atividade”, defende o estudante. 

O objetivo de “dar mais alegria” aos corredores da escola, “que normalmente são locais aborrecidos”, está mais do que cumprido. Além disso, os jovens radialistas orgulham-se de ter conseguido “juntar toda a escola e o agrupamento” à volta da rádio, cujas emissões são muito comentadas nos corredores da escola. “Até temos dificuldades em passar todas as músicas que nos pedem”, conclui, em tom de brincadeira, Duarte Machado.