Rosa dos ventos

Doces variados

Após mais uma edição (a 18.ª) da Mostra Internacional de Doces & Licores Conventuais, que decorreu no passado fim de semana no Mosteiro de Alcobaça, acompanhada, pelo segundo ano consecutivo, de um ambicioso video mapping, desta feita dentro da Igreja, voltamos às atividades culturais regulares, com menos impacto certamente, quer em termos financeiros, quer ao nível do público, mas não menos importantes.

Em Alcobaça, assistiremos ao longo do mês de dezembro a vários espetáculos de qualidade, começando pelo concerto da Rita Redshoes que vem apresentar o seu novo disco (até agora, objeto das melhores críticas) e acabando no já habitual espetáculo de Natal pela Academia de Dança de Alcobaça, ambos no Cine-Teatro, sem esquecer o recital pelo prestigiado violoncelista português Filipe Quaresma que terá lugar no Museu do Vinho.

Mas também a Benedita receberá um espetáculo muito interessante, até pela sua temática - “Deixem o Pimba em Paz” - pela dupla Bruno Nogueira/Manuela Azevedo no Centro Cultural Gonçalves Sapinho.

Além destas iniciativas, há outras de cariz “especial” que, embora também se destinem ao público em geral, visam atingir objetivos de inclusão social.
Vem isto a propósito do Dia Internacional da Pessoa com Deficiência que se assinala a 3 de dezembro e que será comemorado com duas galas, uma na Benedita, promovida pelo Externato Cooperativo e pelo Agrupamento de Escolas da Benedita, e a outra em Alcobaça, dinamizada pelo Ceeria que, simultaneamente, pretende assinalar os 40 anos da instituição de referência nas áreas da educação especial, reabilitação e integração.

Alcobaça irá, no entanto, mais longe na promoção da inclusão pelas artes devido à realização da 2.ª Semana Especialíssima (de 28 de novembro a 2 de dezembro).    
Esta pretende mostrar à comunidade a realidade quotidiana de pessoas diferentes que habitam em paralelo dois mundos, um dito normal e um outro, um mundo especial.
Como será não ouvir? Não ver? Não poder verbalizar? Não conseguir aceder a espaços e serviços essenciais?

E ainda assim viver neste mundo tão igual, tão fechado?

Estas pessoas especiais, mas também as suas famílias, os seus amigos, os seus colegas de turma e todos aqueles que se queiram juntar a esta iniciativa, poderão participar num programa de atividades artísticas que demonstrará que é possível a sociedade em que todos vivemos fazer mais em prol de uma verdadeira inclusão.

Afinal, somos todos iguais!