Edifícios com história

Palacete do Dr. José Sanches Barreto Perdigão

A história deste “edifício com história” tem a ver com o Dr. José Sanches Barreto Perdigão, que nasceu em Alcobaça em 18 de julho de 1846 e foi um grande filantropo da vila. Em 1872 acabou o seu curso de medicina na Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa.

O Dr. Barreto Perdigão exerceu durante anos medicina em Alcobaça, tendo sido subdelegado de saúde e um dos principais impulsionadores da construção do Hospital da Misericórdia e do Jardim Escola João de Deus.

Casou em 13 de junho de 1873 com Francelina de Avelar Froes, nascida em 17 de junho de 1848 em São Martinho do Porto. A cerimónia teve lugar na terra de naturalidade de sua mulher. Mandou construir o seu palacete de Alcobaça em 1875.

A propriedade onde foi edificado tem uma área total de 11.385,50 m2 e é composta por dois ‘espaços distintos’: o espaço do Palacete com uma área de 4.707,85 m2 e o espaço de arvoredo com uma área de 6.580,65 m2. O edifício de habitação tem três pisos. O r/c e o 1.º andar com sótão funcionam informalmente como dois fogos independentes.

A casa tem uma arquitetura sóbria, regular e simétrica, com paredes brancas, salientando-se o número e simetria dos vãos com portadas exteriores verdes.

É aprimorada com uma bonita entrada, com três degraus em pedra e uma sólida porta de madeira maciça e trabalhada ladeada por dois florões também em pedra.

Está envolvida por um jardim típico de uma casa senhorial, com zona ajardinada junto à habitação, que se prolonga para as traseiras da casa, destacando-se uma grande magnólia que cria um espaço especial para lazer.

Na zona adjacente existe um laranjal com uma dimensão considerável e limoeiros, pessegueiros, diospireiros, nespereiras e alcachofreiras.

Localiza-se na sua totalidade na zona urbana de Alcobaça, perto da junção do rio Alcôa com o rio Baça, no centro histórico da cidade, a cerca de 150 metros do Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça.

Localiza-se na sua totalidade na zona urbana de Alcobaça, perto da junção do rio Alcôa com o rio Baça, no centro histórico da cidade, a cerca de 150 metros do Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça

O Dr. José Sanches de Figueiredo Barreto Perdigão foi ainda o primeiro presidente da Câmara de Alcobaça após a implantação da República, tendo tomado posse do cargo no dia 8 de outubro de 1910 e permanecido em funções até 1 de janeiro de 1914.

Foi também um dos fundadores da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de Alcobaça CRL, que  foi criada em 28 de janeiro de 1912.

Do seu casamento com D. Francelina de Avelar Froes nasceram dois filhos. Um rapaz que morreu novo e uma filha. D. Lavínia Froes Barreto Perdigão, que veio a casar em 1895 com Dr. António José de Sousa Neves, nascido em 1869.

O Dr. Barreto Perdigão faleceu com 87 anos em 23 de setembro de 1933 e está sepultado do cemitério de Alcobaça. Francelina de Avelar Froes faleceu em 23 de julho de 1949 em Alcobaça com 101 anos de idade.

Como testemunho pessoal – década de 1950 – recordo-me que o edifício em causa era conhecido em Alcobaça pelo palacete do Dr. Neves, que veio a falecer em 1955 com a idade de 86 anos.

Do seu casamento com D. Francelina Avelar Froes nasceu uma filha: Judite Froes Barreto Neves. Em 1914 D. Judite Neves casou com José Eduardo Raposo de Magalhães. Tiveram dois filhos: Eduardo Neves Raposo de Magalhães (1915) e António Neves Raposo de Magalhães (1916), que vieram a ser herdeiros do palacete de seu avô José Sanches Barreto Perdigão.

Mais herdeiros haveria que referir mas é a história do Palacete do Dr. Barreto que queremos manter no centro da nossa crónica. O tempo não para e muita coisa entretanto sucedeu.

O Palacete está hoje desabitado e à venda por um 1,5 milhões de euros!  A data da sua construção foi 1875. É caso para dizer que faz tempo!