Caixifer apresenta soluções empresariais em caixilharia

Com duas décadas e meia de atividade, comemoradas no passado sábado, a Caixifer tem mantido a solidez no mercado das caixilharias. A empresa, sediada em Aljubarrota, tem “lucrado”, nos últimos anos, com a reabilitação de edifícios.

Nos primeiros anos do negócio eram os clientes particulares que mais “alimentavam” a empresa. As obras públicas ainda representam cerca de 40% no volume de negócios da empresa, que tem oscilado nos últimos anos. No último ano a empresa apresentou resultados de 700 mil euros, recuperando de anos adversos. Com o aumento da produção e com a experiência adquirida ao longo dos anos, hoje o cenário é diferente. “Este é um setor em que o mercado dita o negócio. O negócio da construção regrediu muito e a ‘almofada’ tem sido a reabilitação”, adianta Carlos Matias, que fundou a empresa em 1990.

“A Caixifer surgiu da vontade de evoluir para um negócio por conta própria”, conta o empresário, que trabalhava numa empresa da área da caixilharia, em Leiria. “Para não fazer concorrência, decidimos deslocar-nos e a escolha recaiu no concelho de Alcobaça”, explicou o administrador. Depois de a empresa estar instalada na Lameira durante cinco anos, Carlos Matias decidiu investir em novas instalações. “O trabalho já começava a ser muito para o espaço que tínhamos”, conta o gestor, que naquela fase dividia o negócio com o antigo patrão.

Foi em 1995 que a Caixifer se mudou para o local onde hoje está sediada, com apenas dois trabalhadores. “Ao longo dos anos o trabalho foi evoluindo, chegámos a empregar 12 pessoas”, conta Carlos Matias, que atualmente assegura dez postos de trabalho. 

A Caixifer, que tem vocacionado a produção para o mercado nacional, exporta cerca de 10%, maioritariamente para França e Angola. “A exportação não é um objetivo, é uma inevitabilidade. É um sinal de decréscimo de economia nacional, que nos pode obrigar a procurar outros caminhos”, considera o empresário. Uma vez que tudo o que a empresa transforma já foi previamente testado, “na Caixifer a figura da inovação não existe”. “Não podemos fazer por inovar, temos de testar primeiro”, refere.

O objetivo é fazer bem à primeira. Quem o diz é o rosto da empresa, que controla todo o processo. “Temos más experiências quando recorremos à prestação de serviços externos”, considera Carlos Matias, enaltecendo o acompanhamento desde a produção à pós-venda dos produtos de caixilharia e serralharia de alumínios. “Tem de haver um trabalho com eficácia e que vá de encontro às necessidades e exigências do cliente“, sublinha o empresário, que assinalou os 25 anos da empresacom uma festa na empresa, entre amigos, clientes e fornecedores. “25 anos de bons projetos” parece ser o novo slogan da empresa que tem “revestido” a região de caixilharias e alumínio.

“O recrutamento é cada vez mais exigente”

Apesar dos altos e baixos no volume de faturação nos últimos anos, a Caixifer tem conseguido posicionar-se num mercado cada vez mais exigente. A qualificação dos trabalhadores é uma preocupação do administrador da empresa de caixilharias e alumínios, que assinala este ano 25 anos de atividade.

REGIÃO DE CISTER (RC) > Como é que tem evoluído o mercado neste setor?

CARLOS MATIAS (CM) > O setor da construção regrediu muito nos últimos anos. Até 2010 as vendas foram subindo de ano para ano. No pior ano de atividade da Caixifer, em 2013, a empresa apresentou vendas de 550 mil euros. Felizmente nos últimos anos notámos um ligeiro crescimento no volume de faturação, que se deve principalmente à maior sensibilização por parte da população em questões de conforto e de poupança energética.

RC > O que representa 25 anos de atividade para a Caixifer?

CM > É um marco histórico. É uma prova de solidez da empresa. Se conseguimos chegar até aqui, atravessando um contexto económico difícil a nível nacional e mundial, estamos capacitados para ir mais além.

RC > Há projetos na gaveta?

CM > O maior projeto da Caixifer é a qualificação dos colaboradores. O recrutamento tem de ser cada vez mais exigente, enquanto que há 25 anos quando arranquei com o negócio não havia necessidade dos trabalhadores terem grandes habilitações. Hoje em dia, a qualificação permite a adaptação e um desempenho muito mais rápido. A experiência é importante mas não é tudo. Atualmente o mercado exige mais.

BI

Designação: 
Caixifer - Serralharia e Alumínios, Lda
Fundação: 
1990
Número de Trabalhadores: 
10
Administração: 
Carlos Matias
Actividade: 
Caixilharias comuns para construção e reabilitação
Facturação: 
700 mil €
Principais serviços: 
Caixilharia para construção e reabilitação, parabóis, clarabóis, fachadas, divisórias, etc.
Sede: 
Aljubarrota
Telefone: 
262 596 896
2
É o número de postos de trabalho que a caixifer prevê criar até final do ano