Camilo & Dulce destaca-se nos projetos e fiscalização de obras

Para todos os serviços afetos à área da construção civil, exceto a própria construção, a Camilo & Dulce tem uma resposta. Seja licenciamentos, projetos de engenharia, arquitetura, fiscalização ou auditorias, a empresa, sediada na cidade de Alcobaça, tem-se destacado neste mercado, especialmente na região Oeste.

Fundada no ano 2000 por “uma necessidade de mercado” e por uma “ambição em criar o próprio negócio”, a Camilo & Dulce, que espelha os nomes dos seus fundadores, tem-se adaptado às mudanças e exigências do mercado, de modo a subsistir na área. “O mercado foi mudando e tivemos que nos direcionar para outra vertente. Se inicialmente 90% dos nossos clientes eram particulares, essencialmente para obras de habitação própria, hoje em dia apenas um terço são particulares, outro terço são empresas, que necessitam de quem lhes execute os projetos. E a restante parcela são entidades públicas, nas quais, ganhando os concursos, conseguimos ter os melhores e maiores projetos, alguns executados em parceria com outros gabinetes”, adianta Camilo Cruz, engenheiro civil, que gere o gabinete com a mulher, Dulce Cruz.

Só no último ano, resultado de concursos públicos, a empresa de Alcobaça “assinou” projetos de escolas (reabilitação da Escola Secundária da Lourinhã), de centros geriátricos (lar em Regueira de Pontes) e de quartéis de bombeiros (quartel de Bombeiros de Vialonga).

Mas se, por um lado “há muito menos obras”, por outro “existem outros trabalhos que não eram tão procurados, nomeadamente as legalizações e as obras de reabilitação, que obrigam a projetos diferentes do que existiam antigamente”. “As pessoas já não querem construir, querem reparar o que têm”, defende o empresário. Não são projetos grandes em dimensão mas são interessantes de executar”, acrescenta.

Há ainda uma outra área em que a Camilo & Dulce quer apostar. “Projetos próprios e terrenos, para onde desenvolvemos projetos, sobretudo na área da reabilitação urbana, que devia ser uma grande aposta dos municípios e dos habitantes”, frisa o engenheiro civil. “Não é preciso construir novo, já existe e na maioria bem localizado”, diz. A empresa tem já finalizados alguns projetos em Alcobaça, em São Martinho do Porto e em Chãos, na freguesia de Aljubarrota, num terreno preparado para acolher um centro geriátrico de idosos.

Os projetos próprios já representam 20% do volume de negócios da empresa, que tem vindo a estabilizar as vendas nos últimos anos. Esta é, aliás, uma vertente na qual a empresa de arquitetura, engenharia e fiscalização de obras quer crescer a curto/médio prazo. “Adquirir um terreno com um projeto aprovado poupa bastantes preocupações aos clientes”, relembra Camilo Cruz.

Direcionada para a área geográfica entre Lisboa a Pombal, “para alcançar a maior proximidade possível com os clientes e projetos”, a empresa já deixou marcas nos concelhos da Lourinhã, Caldas da Rainha, Alcobaça e Leiria. Camilo, Dulce e Ígor (que trabalha há cerca de 15 anos no gabinete) prometem “projetar” mais para o futuro.

"Tratamos dos projetos como se fossem nossos"

Um dos rostos da empresa de arquitetura, engenharia e fiscalização de obras recua à fundação da empresa para explicar o que mudou e o que mantém a empresa no ativo.

REGIÃO DE CISTER (RC) > Em que circunstâncias nasceu este negócio?

Camilo Cruz (CC) > A empresa surgiu em 2000 essencialmente pela necessidade de mercado e também para dar seguimento a uma atividade que já tinha há sete anos na área da arquitetura e engenharia. Na data não havia muitos gabinetes, pelo que optámos pela vertente empresa.

 

RC > Como é que uma micro-empresa sobrevive a uma grande crise do setor?

CC > Como nunca tivemos um quadro fixo muito grande e recorremos sempre a parcerias com outros técnicos, conseguimos ao longo dos anos manter-nos sempre ativos. Quando havia trabalho dávamos resposta e quando não havia conseguimos aguentar, porque o nosso peso em termos de encargos não era muito grande e foi isso que nos manteve. As grandes estruturas sofrem muito mais quando há um pico de um momento para o outro.

 

RC > O que distingue a Camilo & Dulce?

CC > Tratamos dos projetos dos nossos clientes como se fossem nossos: planeamos, criamos e acompanhamos tudo. As parcerias que temos há muitos anos com técnicos também são uma grande mais-valia da empresa, porque não conseguindo responder a todas as necessidades temos solução. A aposta na reabilitação urbana tem-se revelado um sucesso, porque hoje em dia já não é preciso construir. Há muito por reconstruir e bem localizado.

BI

Designação: 
Camilo & Dulce
Fundação: 
2000
Número de Trabalhadores: 
3
Administração: 
Camilo Cruz e Dulce Cruz
Actividade: 
Arquitetura, engenharia e fiscalização de obras
Facturação: 
não divulgado
Principais serviços: 
projetos de arquitetura, engenharia, gás, higiene e segurança no trabalho, fiscalização de obras, peritagens e auditorias técnicas
Sede: 
Av. Prof. Eng. Joaquim Vieira Natividade, Bloco C, Edifício Alcoa 2460-071 Alcobaça
Telefone: 
262 598 008 | 913 763 308
17
número de anos de atividade ininterrupta da Camilo&Dulce