Casa de Repouso Picamilho aumenta capacidade residencial

Uma imagem costuma valer por mil palavras, mas a fotografia que antecede este texto vale por muito mais. Faltam sete utentes, que estão dependentes, mas as três que, timidamente, posam para a máquina fotográfica partilham a mesma casa, fundada e administrada por Salomé Afonso, ao lado esquerdo. Prevê-se que daqui a dois meses, a fotografia de “família” reúna, pelo menos, mais 25 residentes, porque a Casa de Repouso Picamilho vai abrir um novo espaço, capacitando o lar de terceira idade com mais 25 camas, a juntar às 10 já existentes.

Fundada em 2001, a Casa de Repouco Picamilho, sediada na localidade com o mesmo nome, perto de Alpedriz, começou com o número mínimo de utentes, ou seja, cinco internados. “Havia a necessidade de as pessoas estarem permanentemente num espaço”, explica a administradora da casa de repouso. Abriu com os mesmos serviços que dispõe atualmente, isto é, internamentos a tempo inteiro, repousos temporários, férias, recuperações de fraturas do cólon de fémur e cuidados paliativos. “Há pessoas que vieram de cadeiras de roda e sairam a andar depois de seis meses na casa”, relembra a diretora técnica.

Os dez utentes internados que residem no espaço passarão, no espaço de dois meses, para uma nova casa mesmo ao lado. “Está em curso a construção de um projeto novo para 25 utentes, que funcionará com as mesmas especialidades existentes, sendo que a perspetiva é sempre na conquista de um serviço de excelência”, sublinha Salomé Afonso, adiantando que o investimento do novo projeto da Casa de Repouso Picamilho está avaliado num milhão de euros. “Já há muito tempo que notamos a necessidade de haver mais camas, há uma lista de espera grande, sinal de que o País precisa desse tipo de serviço”, acrescenta Salomé Afonso. Com a abertura da nova “casa”, os postos de trabalho passarão de seis para doze, “pelo menos no imediato”, adianta. 

A juntar às atividade de ginástica sénior, que decorrem às sextas-feiras, os residentes contam com serviços de enfermagem, neurologia, “uma vez que há cada vez mais casos de Alzheimer e demências”, fisioterapia e psicologia, assegurado por um dos fundadores da instituição, Herlander Alves. Além do projeto de raiz, também a “velhinha” casa de repouso vai ser transformada e remodelada, “prevendo totalizar a capacidade do espaço nos 30 utentes”.

A casa de repouso aposta na prestação de serviços em regime de internamentos temporários e/ou permanentes, em qualquer estado físico e de âmbito nacional. E não é por acaso que “Dar vida aos Anos” é o lema da Casa de Repouso Picamilho. “Traduz-se num conceito, cujo objetivo é prestar um serviço de excelência na área da geriatria, com ênfase nas relações humanas e no seu conforto, funcionalidade e bem estar bio-psico-social dos seus residentes”, reforça Salomé Afonso. 

“É gratificante poder trabalhar com idosos”

Os clientes da Casa de Repouso Picamilho chegam um pouco de todo o País, mas a confiança e a credibilidade que existe pelo lar de terceira idade é comum a todos eles. Uma das fundadoras e administradoras do espaço conta que nos últimos anos são os próprios idosos que optam por viver em lares. 

REGIÃO DE CISTER (RC) > Quem são os clientes da Casa de Repouso Picamilho?

Salomé Afonso (SA) > São clientes que chegam de família em família, por vezes de Lisboa ou de mais perto, nomeadamente dos concelhos de Porto de Mós, Alcobaça, Batalha e Leiria. Essencialmente são famílias que já nos conhecem, por isso existe um voto de confiança e credibilidade. 

RC > Como é trabalhar com estas pessoas tão heterogéneas?

SA > É gratificante poder trabalhar com idosos. É um trabalho que nos faz sentir bem, mas às vezes também ficamos tristes. Temos de ter uma equipa muito forte psicologicamente para poder acompanhar cada caso. Tentamos ter um serviço de excelência e dar tudo pelo bem estar e felicidade dos nossos residentes, embora haja situações que nos ultrapassam.  

RC > Ainda são os familiares dos idosos que procuram a vossa casa?

SA > É maioritariamente uma opção de familiares, mas hoje em dia assistimos a um novo fenómeno: são as próprias pessoas que procuram estas casas. De facto, os 14 anos de atividade trouxeram-nos esse “presente”. As pessoas conhecem o local e começam elas próprias a inscrever-se aos 70 e 80 anos de vida. Sabem que estão a precisar e fazem a escolha delas. 

BI

Designação: 
Casa de Repouso de Picamilho
Fundação: 
2001
Número de Trabalhadores: 
6 colaboradores
Administração: 
Salomé Afonso e Herlander Alves
Actividade: 
lar de 3.ª idade
Facturação: 
Não divulgada
Principais serviços: 
Internamento e internamento temporário, Recuperação de fraturas e férias
Sede: 
Picamilho - Alpedriz
Telefone: 
262 544 805
25
Número de residentes que o novo espaço da casa de repouso picamilho vai poder acolher.