Investimento de 6 milhões marca reabertura da Quinta do Pinheiro

Quatro anos depois os portões da Quinta do Pinheiro voltaram a abrir-se. Lá dentro, vive-se um novo capítulo. O hotel rural, “plantado” na fronteira entre os concelhos de Alcobaça e Nazaré, em Valado dos Frades, foi alvo de profundas remodelações nos últimos meses, num investimento que se prevê ascender aos 6 milhões de euros. O beneditense António Rebelo e o alcobacense Vítor Ferreira são os responsáveis pela reabertura da Quinta do Pinheiro Hotel Rural, de 23 hectares, cujas origens remontam ao início do século XVIII.

“Uma parte significativa do investimento já está feita: a substituição dos telhados, as remodelações na cozinha e a modernização das instalações, nomeadamente nos quartos, mantendo a traça histórica; o restante investimento será sobretudo centrado na envolvência exterior da quinta, dando-lhe mais capacidade e mais valências”, esclarece Vítor Ferreira, admitindo que “as obras estão neste momento a pouco mais de meio”.

O sócio acrescenta: “no final da primeira fase de obras ficamos com 6 quartos, que já estão disponíveis; na fase intermédia ficaremos com 26 quartos, alguns duplos, o que pode aumentar a lotação para meia centena de clientes, e com uma possível candidatura ao Programa 2020 vamos tentar alargar a capacidade para mais 8 quartos”.

A par da natureza, da história, da arte, com as obras do mestre Ferreira da Silva, com destaque para o painel de azulejos que decora a fachada da capela, a localização é apontada como uma mais-valia do espaço de 23 hectares. “Lá vai o tempo em que a Quinta do Pinheiro estava isolada, hoje em dia tem uma posição estratégica que permite estar a uma hora do aeroporto de Lisboa,  uma hora de Coimbra, meia hora de Fátima e a menos de duas horas do Porto”, realça Vítor Ferreira. 

Para os empreendedores, a “marca” da Quinta do Pinheiro “continua viva”. Prova disso, é o “reconhecimento de clientes nacionais e internacionais, sobretudo europeus e norte-americanos, que continuam a procurar o espaço”, adianta António Rebelo.

O restaurante é outro dos trunfos dos empresários, amigos de infância e antigos clientes da Quinta do Pinheiro. Com capacidade para servir cerca de 50 pessoas, aquele espaço, onde funcionava uma adega, é um ex-líbris do espaço rural. “O bar e o restaurante estão muito bem enquadrados no edifício centenário. Quando entramos no portão da quinta sentimos natureza e biodiversidade e quando entramos no restaurante respiramos história e tradição”, admite Vítor Ferreira. O restaurante, que serve comida tradicional portuguesa aos almoços e jantares, está aberto também  ao público todos os dias.

A Quinta do Pinheiro, que é “banhada” pelo Rio do Meio, conta também com três salas de eventos, que juntamente com o restaurante, têm capacidade para acolher 600 pessoas, em eventos sociais, casamentos, batizados e festas de aniversário. Também o Centro Equestre, bem como as aulas de equitação e os passeios de charrete e póneis, já estão em pleno funcionamento, ficando na gaveta, por enquanto, a reabertura dos campos de futebol.

“A Quinta do Pinheiro é um local mágico”

Os empresários explicam as razões que os levaram a apostar no hotel rural, apontando as mais-valias do espaço histórico.

REGIÃO DE CISTER (RC) > Porquê a reabertura da Quinta do Pinheiro?
Vítor Ferreira (VF) > Já há uns anos que queríamos fazer um trabalho conjunto, somos amigos de infância e já conhecíamos a Quinta do Pinheiro como utilizadores. Por todas as características era um espaço que nos agradava e quando percebemos que estava disponível, avançámos. 

RC > Nos últimos anos têm sido feitos vários investimentos na área da hotelaria na região. Há espaço para mais um hotel?
António Rebelo (AR) > É mais um hotel, mas é um hotel diferente. Não se consegue replicar a nossa história noutro lado. Consideramos que é um conceito diferente. Temos a maior coleção privada de Ferreira da Silva, temos o espaço envolvente único, com lugares para estacionamento, não temos isto em mais lado nenhum do concelho. A equitação também já está a funcionar, bem como os passeios de cavalo e charrete pelos pomares, que são muito agradáveis.

RC > O “casamento” entre a história, a arte e a natureza é a vossa aposta?
AR > Sem dúvida. As construções são centenárias, remontam ao início do século XVIII. Os próprios quartos têm apontamentos históricos, que se mantém inalteráveis. O restaurante é um ex-líbris, que começa na própria construção porque era uma antiga adega e prossegue na valorização de alguns elementos. Os cursos de água que atravessam a quinta, e toda a envolvência fazem da Quinta do Pinheiro um local mágico.

BI

Designação: 
Quinta do Pinheiro Hotel Rural
Fundação: 
2017 (reabertura)
Número de Trabalhadores: 
15
Administração: 
António Rebelo e Vítor Ferreira
Actividade: 
Hotelaria
Facturação: 
Não aplicável
Principais serviços: 
Hotel rural, bar, restaurante, eventos e centro equestre
Sede: 
2450-337 Valado dos Frades
Telefone: 
262 590 530
15
Número de pessoas que a quinta do pinheiro já emprega, prevendo-se um aumento de dez a médio prazo