Samarra II quer referenciar Cafés Ytuano pela qualidade e tradição

Os Cafés Ytuano conquistaram recentemente o selo de melhor café produzido em Portugal. Mas o que muitos não sabem é que esse mesmo café é produzido em Alcobaça. A Samarra II, gerida por António Varela e António Carneiro, mantém a tradição em torrefação de café, apostando na qualidade e na diferenciação do produto.

“Há muitos anos que o meu tio fazia café de excelente qualidade, mas apenas fabricava para outras marcas, algumas de renome. Começou a pensar que poderia aproveitar o know-how e criar uma marca própria”, conta António Carneiro, que tem apostado na produção e comercialização dos Cafés Ytuano.  

A produzir seis toneladas por mês e com previsão de chegar às dez, a Samarra II tem apostado fortemente na produção e comercialização da marca própria. “O objetivo é que no prazo de dois anos a produção da Samarra II seja 80% dos Cafés Ytuano, que atualmente representam 20%, tendo em conta que há um ano significava 3 a 4%”, nota o empresário. “Houve um incremento muito forte da marca no mercado, o feedback está a ser fabuloso por parte dos clientes. Neste momento já é o boca a boca que nos promove e isso deixa-nos bastante satisfeitos”, acrescenta António Carneiro.

Com incidência nos mercados entre Alcobaça e a região da Grande Lisboa, a empresa de torrefação, que ainda trabalha para 14 marcas de café de renome, diferencia-se, nas palavras do sobrinho de António Varela, pela “alquimia do mestre de torrefação”. “Qualquer um pode fazer café, o difícil é fazer bem ou fazer o produto de exceção”, defende o empresário, para quem o segredo “é a qualidade das matérias-primas”. Que é como quem diz, fazer uma excelente seleção das origens e depois o blend. 

“Fazer café é quase como fazer vinho, tem de haver uma certa alquimia pelo meio mas depois é na junção das diversas origens, no caso do vinho são as castas, que faz um bom ou mau café. O processo de torra é um processo muito diferenciado da estrutura de torrefatores em Portugal”, nota. A média do ciclo de torra do café é entre quatro a seis minutos, a da Samarra II é 18 minutos. “Isto pode parecer estranho. Obviamente que é muito mais caro e trabalhoso, mas o resultado é maravilho. É a diferença entre aquecer um prato no forno a lenha e no microondas”, compara. Também o processo de desgasificação, de 24 horas, difere muito. “Em 90% das torrefações o café é torrado e dez minutos depois posto no saco. Não estraga o café, mas não permite que realce todas as suas características”, frisa António Carneiro.

A prova disso foi o prémio de melhor café com o Cafés Ytuano no Domus Taste Award Futurete 2016, concurso organizado pela Domus e pela Futurete, em dezembro do ano passado. “Uma micro-empresa, que não é conhecida no mercado, e em prova cega bater alguns dos grandes tubarões da área mostra que é um produto de exceção”, considera um dos sócios da empresa.

Com três lotes de café no mercado – Classic, Gold e Pérola – e descafeinados, a empresa também comercializa cápsulas. Não há, portanto, desculpa para não provar o café made in Alcobaça.   

"As pessoas ficam em casa e bebem a cápsula"

Um dos sócios-gerentes da empresa de torrefação, sediada em Alcobaça, traça o retrato do setor, apontando os principais obstáculos e mudanças dos últimos tempos.

REGIÃO DE CISTER (RC) > De que forma a Samarra II se distingue no mercado?
António Carneiro (AC) > A empresa distingue-se pela qualidade e é na qualidade que se quer manter. Quero apenas o meu lugar de mercado com um produto diferenciado. Esta é uma área difícil. Somos duas dezenas de torrefatores registados e, por outro lado, há mais de 600 marcas em Portugal.

RC > São as grandes marcas e a grande distribuição os principais obstáculos do negócio?
AC > As regras de mercado não são iguais para todos. As grandes marcas não estão no mercado convencional para ter um bom café, estão lá porque lhe montam a esplanada e porque lhe dão a máquina de café. E esse é o grande problema. O canal Horeca não está preocupado com a qualidade, está preocupado com o preço e com as condições. A grande distribuição também não quer qualidade. Não interessa o que está dentro do produto, importa é o preço que se pratica. Não quero trabalhar com isso e por isso procuro mercados diferenciados. 

RC > Bebe-se muito ou pouco café?
AC > Bebe-se menos café. As crises dos últimos anos também mudaram hábitos. Tem havido uma agressividade muito forte das grandes marcas na aposta das cápsulas. Se antes as pessoas saíam depois do jantar para tomar um café, hoje em dia ficam em casa e bebem a cápsula do café. Isso levou a um decréscimo no consumo de café.  

BI

Designação: 
Samarra II
Fundação: 
2013
Número de Trabalhadores: 
6
Administração: 
António Varela e António Carneiro
Actividade: 
Torrefação e comércio de cafés
Facturação: 
Não divulgada
Principais produtos: 
Café torrado
Sede: 
Rua de Santa Maria, 14 Quinta do Telheiro - Apt.88 2460-080 Alcobaça
Telefone: 
262 103 146 ou 937 412 708
6
Número de toneladas que a Samarra II está a produzir nas instalações em Alcobaça