Onde passear
Dê lugar ao amor na terra de paixão
Marlene Varela

Alcobaça não se visita, simplesmente. Vive-se. É a cidade entre a serra e mar, onde todos somos convidados a "Dar Lugar ao Amor".

12 Agosto, 2020

Dê lugar ao amor na terra de paixão

O berço de Alcobaça é no Mosteiro de Santa Maria, onde os amantes D. Pedro e D. Inês de Castro continuam a captar a atenção de milhares de turistas, não fosse esta uma das mais intensas e trágicas narrativas de amor de Portugal. Tal com a história destes dois apaixonados, separados pela intriga e inveja, também a construção do Mosteiro de Santa Maria em Alcobaça combina factos e lendas. Considerada uma das mais importantes abadias cistercienses europeias, classifica pela UNESCO com Património Mundial, não deixa ninguém indiferente. Constituído por um conjunto monástico inigualável, o Mosteiro de Alcobaça apresenta diferentes estilos artísticos: barroco, gótico, manuelino e neogótico. Todos eles presentes em plena harmonia entre si.

Mas os pontos de interesse não se esgotam no monumento Património da Humanidade. Há vários outros motivos de atração, de diferentes géneros e para todos os gostos.

Após a incontornável visita ao Mosteiro de Alcobaça, suba em direção ao Castelo. Não se deixe "desmotivar" pelo aspeto do espaço, porque a vista é simplesmente deslumbrante. Em posição dominante a noroeste sobre a povoação, das suas ruínas tem-se uma bela vista sobre a cidade, inclusive o seu famoso Mosteiro, os campos envolventes e a Serra dos Candeeiros. Uma experiência totalmente gratuita.

E como o saber não ocupa lugar, o Museu Raul da Bernarda é também um local a visitar neste roteiro. O espaço museológico, que visa manter viva a memória de mais de 135 anos de atividade cerâmica da família Raul da Bernarda, divide-se em duas exposições: “Os Trajes do Rancho do Alcoa, alusivos à louça de Alcobaça” e “Coleção de Cerâmica Raul da Bernarda”.

Siga caminho em direção àquele que é considerado o maior e mais completo Museu do Vinho português. O Museu do Vinho de Alcobaça possui o acervo museológico mais completo do País na temática vitivinícola, abrangendo aspetos da cultura material do vinho de inquestionável valor histórico, científico, industrial e etnográfico que vão do século XVII ao advento do século XXI. Aprendida a lição, eis que chega a hora de degustar da iguaria. Os vinhos de Alcobaça têm conquistado o paladar dos portugueses e não só. O néctar produzidos pela Quinta dos Capuchos e pela Adega Cooperativa de Alcobaça tem arrecadado vários prémios ao longo dos anos. O segredo? Há quem diga que está no solo e quem acredite que é a dedicação dos produtores da região. Mas se o paladar pede algo mais doce, a Ginja S. M.R., produzida pela empresa David Pinto & Companhia é a escolha certa.

Se já precisa de uma pequena pausa, que tal saborear um frango na púcara? O "pitéu" surgiu na década de 60 pela mão do cozinheiro do restaurante Corações Unidos, António Bonzíssimo. Cozinhado no interior de uma púcara de barro, o frango do campo é servido com bacon ou presunto, vinho do Porto, chouriço e cebola. Garanta o seu lugar com antecedência pois muitos são os que se deslocam à cidade propositadamente.

Antes de seguir viagem, ceda ao pecado da gula porque a verdade é que"um dia não são dias". O único problema é decidir qual o doce conventual escolher para terminar com chave de ouro esta viagem pela riqueza gastronómica de Alcobaça.

Não "viveu" a cidade de Alcobaça se não deambular pelas ruas e se deixar apaixonar pelas montras embelezadas com os artigos de cerâmica e com as peças de chita. Na "Made in Alcobaça", em frente ao Mosteiro, há peças de autor inspiradas nos padrões das chitas.

 

Alcobaça além do Património Mundial

Começar a viagem a Sul significa entrar descalço com os pés na areia. A praia de São Martinho do Porto tem provavelmente a mais bela baía do País, de águas calmas e opção mais do que certa para férias em família e brincadeiras de turistas de palmo e meio. A par da praia, única, a vila tem uma vasta oferta gastronómica e tesouros bem guardados, como o túnel sob o morro de Santo António (na parte superior localiza-se o Farol) e as famosas "conchas" doces. Na lista de iguarias da região não podia faltar o mítico pão de ló, ali bem perto, em Alfeizerão.

O passeio segue ao ar livre na Mata Nacional do Vimeiro, um parque natural com 262 hectares, dos quais mais de 90% são arborizados maioritariamente com pinheiro-bravo. É um local de excelência para piqueniques e para caminhadas bem oxigenadas.

A caminho da cidade de Alcobaça é preciso conhecer as memórias da Cela, onde o ousado general Humberto Delgado fundou a quinta de família, na Cela Velha, e onde há um monumento em sua homenagem inaugurado dois anos depois da Revolução de Abril. Da Cela ao Bárrio é um pulinho, bem justificado para conhecer as ruínas de Parreitas, uma estação arqueológica que poderá ter a sua origem na Idade do Ferro e foi romanizada entre os séculos I a IV d.C.

Aljubarrota, lugar de história, tem vários pontos de interesse, a começar pela vila e os vários monumentos e símbolos da mítica batalha, como a pá de Brites de Almeida – escondida durante o domínio filipino e também durante as Invasões Francesas –, ou as estátuas da padeira e de D. Nuno Álvares Pereira. A visita ao Núcleo de Arte Sacra de Aljubarrota também é de inquestionável interesse. É um espaço que conta com um espólio artístico e religioso de grande valor histórico, cultural e litúrgico incorporado numa exposição permanente na Igreja Paroquial de S. Vicente. 

Rumo ao Norte, no Casal da Areia, o Museu Vista Alegre Atlantis é digno de uma visita, bem como o centro de visitas Atlantis, onde é possível conhecer a história de um dos fabricantes de cristal de maior prestígio do mundo e ter contacto direto com o processo do fabrico do cristal.

Em Coz, a visita ao mosteiro feminino proporciona uma viagem com início no século XIII, quando surgiu o conjunto conventual no qual se integra a Igreja de Santa Maria de Coz. O seu surgimento deve-se ao mosteiro de Alcobaça, que ali teria um conjunto de mulheres devotas que auxiliavam em múltiplas tarefas necessárias ao bom funcionamento do mosteiro. A igreja é, literalmente, um santuário ao barroco. Nela evidenciam-se os vários altares de talha dourada, os revestimentos de azulejo, principalmente da sacristia, e os impressionantes caixotões de madeira que constituem o teto que cobre a nave, o coro, a sacristia e o vestíbulo. As pinturas datam do início do século XVIII.

Do Mosteiro vale a pena subir até à Capela de Santa Rita, nome mais comum atribuído à Ermida do Bom Jesus do Calvário de Coz, situada num monte a cerca de 600 metros da localidade, que permite uma bela vista sobre toda a área em redor. Reza a tradição que uma religiosa do Convento de Coz viu no cimo do monte uma luz. Dirigindo-se a esse local viu uma cruz levantada da terra, que levou para o mosteiro. No entanto, essa cruz voltaria misteriosamente para o local onde apareceu, onde está agora a capela, tendo-se repetido este facto algumas vezes.

A viagem para Norte é de encontro ao mar e aos 12 quilómetros de costa da União de Freguesias de Pataias e Martingança. Mas, antes de avistar o areal, há muito que fazer, como a rota dos fornos da cal, outrora motor económico da região, e que hoje permite caminhadas de descoberta, paredes meias com a natureza e a grande mancha de pinhal. A Lagoa de Pataias é paragem obrigatória, de preferência com tempo de sobra para apreciar a vasta biodiversidade através do enorme passadiço que percorre a margem Oeste.

A Norte da Lagoa, no pinhal, encontra-se o “talefe” ou “ponto”, situado nos limites do Pinhal da Lídia, Lagoa Seca e Lagoeira. Subindo ao topo da pirâmide, num dia claro e sem nuvens, pode ver-se a Serra da Boa Viagem, a Serra de Sicó e o limite Sul da Serra dos Candeeiros. 

Junto a Paredes da Vitória, a praia mais conhecida a norte, há vários roteiros a descobrir, como a Mina do Azeche ou o núcleo de moinhos das Paredes, no vale, onde a nascente brinda os visitantes com água cristalina. Falca, Légua, Vale Furado, Polvoeira, Pedra do Ouro e Água de Madeiros são outras praias que justificam a descoberta. A viagem chega ao fim junto à "fronteira" com o concelho da Marinha Grande, perto da Burinhosa, onde o Facho oferece uma vista privilegiada sobre as Matas Nacionais, o Pinhalinho e a Pedra do Ouro. 

Veja também

02 Fevereiro, 2021
  Chocolates, um clássico em versão premium e… "picante"  São um clássico nesta data, mas acredita em nós: não precisas de ir à Bélgica em busca daqueles...
07 Novembro, 2020
A pandemia da Covid-19 encerrou alguns negócios, colocou outros na corda-bamba mas também foi o motor para o arranque de novos negócios, como a entrega de comida de restaurantes ao domicílio....
30 Outubro, 2020
  Instalado em Mira de Aire nas antigas instalações da fábrica de tapetes D. Fuas, fundada em 1933, que mais tarde se veio a tornar na emblemática Tapetes Vitória, este recente espaço...