Geração S+

O sono proporciona um teatro noturno

Mil e um afazeres. Se pudéssemos acrescentávamos mais umas horinhas ao dia, para completar tarefas que ficam pendentes. Como não podemos, retiramos ao período aparentemente menos útil, o sono. Sempre dá para responder a mais uns emails e colocar as respostas do WhatsApp, Messenger, SMS, Hangouts e outros em dia. Depois, já pela noite dentro, passar os olhos pelo feed do Facebook e do Instagram para ver as novidades e, eventualmente, ver uns vídeos do Youtube, TV ou Netflix. As 6h30 deverão chegar. Pelo menos, esta é a média nacional.
Afinal para que é que dormimos? Serão as 6h suficientes? 

Imagine que a cada noite o seu computador ou telemóvel fazem uma atualização e, por falta de tempo, interrompe essa atualização a 80%. Será que os restantes 20% do processo de atualização são necessários?

Como nos explica Matthew Walker no seu livro “Porque dormimos?”, durante o período do sono acontece um complexo processo da qual depende a nossa saúde e mesmo a nossa vida. A interrupção desse processo a cada noite tem profundas implicações na capacidade de aprendizagem, memória, humor, atenção e promove o desenvolvimento de muitas das doenças mais frequentes, como as cardiovasculares, a diabetes, alguns tipos de cancro, demências. O sistema imunitário sai prejudicado, a regulação das hormonas que controlam o apetite também, o que facilita a obesidade, o sistema reprodutor masculino e feminino envelhece precocemente e diminui a sua funcionalidade, entre vários outros. 

O sono proporciona um teatro noturno em que o cérebro testa e constrói ligações entre as vastas quantidades de informação, facilitando associações não óbvias, ou seja, promovendo uma das mais extraordinárias capacidades: a criatividade. 

Nas últimas décadas tem-se falado muitíssimo, e bem, da atividade física e da alimentação para a promoção da saúde, tendo o sono ficado fora da equação. Acontece que nos últimos 15 anos a evidência científica tem demonstrado que este não é um pilar da saúde, é fundação sobre a qual se constroem os outros, sem o qual a atividade física, a alimentação cuidada ou todas as estratégias de promoção do bem-estar mental são completamente infrutíferas. É uma necessidade básica. Um aspecto que vale a pena ter em consideração é que “quando está em privação de sono não sabe quão privado de sono está”, segundo o investigador inglês Matthew Walker. 

E na adolescência? As 9h são absolutamente essenciais se quer ter a capacidade para memorizar a matéria, disposição para estar atento à novidade e experienciar a vida em pleno, com intensidade e controlo emocional, se quer estar bem para as relações sociais e se quer ser criativo, aspetos fulcrais neste período de vida. Abdicar deste período regular de sono é abdicar de 40% nos resultados escolares, segundo vários estudos, é facilitar o deficit de atenção, a irritabilidade e mau humor, diminuir os comportamentos mais sociais de ajuda ao outro e capacidade de se conectar.

A privação de sono é, provavelmente, uma das grandes epidemias deste século, com a particularidade de ser silenciosa. Os seus efeitos prejudicam gravemente as funções cognitivas e orgânicas, mas dificilmente se consegue atribuir a causa diretamente ao sono.

Seja o exemplo do seu adolescente. Mantenha um horário de sono regular, pratique exercício físico, evite a cafeína (pelo menos 6h antes de ir dormir) e a nicotina. Evite também consumir bebidas alcoólicas antes de ir para a cama, grandes refeições e ingerir demasiadas bebidas à noite. Se possível evite medicação que adie ou perturbe o sono, não faça sestas depois das três da tarde, descontraia antes de ir para a cama, tome um banho quente antes de dormir, escureça o quarto e torne-o mais fresco, evite os dispositivos que emitem luz duas horas antes de ir para a cama e tenha uma exposição solar adequada ao longo do dia. Estas são algumas das dicas para uma noite mais longa e reparadora. 

Se é adulto não abdique das 8h, se é adolescente das 9. No caso das crianças e bebés varia de acordo com a idade. 

Vamos dar a devida importância ao sono, para uma vida mais longa e mais saudável!