Cistercópias alia variedade de serviços a relação com cliente

Ainda se confunde com a Sinfonia, mas o verdadeiro nome de um dos espaços comerciais mais icónicos da cidade de Alcobaça é Cistercópias. Com nova administração desde abril do ano passado, a empresa, que estava em situação de decadência, já recuperou 40% das vendas.

Além da subida nas vendas, num ano foi criado mais um posto de trabalho e no total já são cinco funcionários. Também o espaço foi remodelado. “Estamos a melhorar a imagem da loja, dando também melhores condições aos funcionários. Nesse sentido, mudámos o balcão, mudámos os expositores de tabaco e outras pequenas alterações vão acontecendo. Recuperámos o que a casa era, recuperámos a confiança dos nossos clientes”, sublinha Renato Jácome,que adquiriu a empresa, juntamente com a mulher, Anabela Rodrigues.

“A Cistercópias apareceu com o nome Cistercópias após o antigo proprietário ter comprado este negócio, que se chamava Sinfonia”, recorda o empresário. “Era uma casa que conhecia e frequentava desde miúdo”, conta.

Já como Cistercópias, a empresa chegou a ter três espaços comerciais na cidade, atualmente só tem dois. “É curioso porque são dois espaços comerciais com clientes completamente distintos”, adianta o administrador.

Nos dois espaços existe um conjunto de serviços e valências, que são um todo. “Aqui tudo pesa. Este é um tipo de negócio em que se ganha uma margem reduzida, ou seja, o que interessa é o volume de vendas. Vender tabaco é bom, mas se vendesse só tabaco não conseguiria manter a casa. Vender jornais é igualmente bom, mas se vendesse só jornais não conseguiria manter a casa. Isto é, a mais-valia do negócio é exatamente a polivalência de serviços e o facto de estarem todos centralizados”.

O objetivo é que o cliente encontre o que quer ou necessita naquele espaço. “A vantagem é que na Cistercópias não existe uma rutura de stock, há o produto que determinado cliente procura e se não houver fazemos por haver”, explica o alcobacense.

A rapidez, a segurança e a eficácia dos serviços que a empresa presta são apontados como fatores prioritários pela administração. “Além do cliente, por exemplo, saber que pode fazer todo o tipo de pagamentos na Cistercópias, existe um conjunto de fatores que pesa na escolha do nosso serviço. Há clientes que preferem vir pagar o IMI aqui do que se deslocar às Finanças”, sublinha.

Mas voltando ao início: a Cistercópias pode entretanto voltar a ser a Sinfonia. “Uma das pretensões da administração é criar a marca ‘Sinfonia’, associada à Cistercópias,
porque de facto os clientes vêm cá e continuam a chamar o espaço de Sinfonia”, esclarece Renato Jácome, que tem ainda a intenção de ampliar o negócio para outras localidades da região no próximo ano. Ou seja, a Cistercópias vai ter novas cópias por aí.

“Sentimos que os clientes voltaram”

A diversidade de serviços da Cistercópias é uma das mais-valias do negócio. Quem o diz é o novo administrador da empresa, que faz o balanço de um ano de gestão.

REGIÃO DE CISTER (RC) > Um ano depois de ter adquirido a Cistercópias, que balanço faz?

RENATO JÁCOME (RJ) > É positivo. Mas este é um tipo de negócio que tem de ser acompanhado muito perto. Os negócios hoje em dia têm margens muito reduzidas e têm de ser muito bem geridos para haver algum êxito. De facto, esta é uma casa que está feita mas é uma casa que quando pegámos nela estava em decadência. Voltar a colocá-la como está hoje exigiu esse acompanhamento.

RC > E o mercado tem respondido?

RJ > Sentimos que os nossos clientes voltaram. Nunca dizemos que não ao cliente, estamos sempre disponíveis. A simpatia, a amabilidade e o profissionalismo com que os clientes são recebidos marcam. Por exemplo, temos marcas de tabaco que não são muito vendáveis, mas o cliente que fuma esse tabaco sabe que na Cistercópias o pode encontrar. Isso é o que marca a diferença.

RC > Num negócio com tantos serviços, qual é a aposta da nova administração?

RJ > A nossa aposta é no centro de cópias, na mediação dos jogos Santa Casa, nas cobranças, na venda de tabaco e na venda de revistas e de jornais. Esta casa está exclusivamente virada para este tipo de negócio. Seria normal ver muitos brindes numa papelaria, mas não queremos isso. Esse é o nosso nicho de mercado. Este negócio não pode ser um negócio estático, é um negócio que está em evolução permanente e temos de acompanhar as mudanças. Se assim não for facilmente fechava a porta.

BI

Designação: 
Cistercópias
Fundação: 
1998
Número de Trabalhadores: 
5
Administração: 
Renato Jácome e Anabela Rodrigues
Actividade: 
Comércio de revistas, jornais e artigos de papelaria
Facturação: 
Não divulgada
Principais serviços: 
Fotocópias, encadernação, venda de revistas e jornais e mediação de jogos Santa Casa
Sede: 
Alcobaça
Telefone: 
262 583 423
550
Número de clientes que entra em média diariamente na cistercópias