Esmeralda impulsiona trilogia de sabores na Nazaré

A frutaria levou à cafetaria. A cafetaria cresceu para uma churrasqueira para take-away. E a churrasqueira foi aprimorada num restaurante. A trilogia deste negócio familiar, estampada com o nome de Esmeralda, é um caso de sucesso na Nazaré. 

Depois de 25 anos a vender fruta no mercado da vila, Esmeralda Pereira quis ir mais longe. Viu no crescimento do Camarção uma oportunidade para ali instalar o seu negócio. “Onde é hoje o café começou por ser a frutaria“, recorda a famalicense, de 63 anos. “Dei o nome de Esmeralda à frutaria porque as pessoas conheciam-me do mercado. Havia o hábito de dizer ‘vou à Esmeralda’. Logo no primeiro dia da frutaria as vendas correram muito bem”, conta a empresária, que foi juntando pão quente, charcutaria e bens de primeira necessidade à loja.

Quatro anos depois, faz obras de remodelação no espaço, de forma a criar uma zona para o café e outra para a frutaria. “Os professores do ciclo e do Externato, que foram os meus primeiros clientes, começaram a pedir-me umas refeições ligeiras e rápidas”, conta. E às tantas já estava a preparar uma panela de sopa, bacalhau à brás, bifanas... sempre com o espaço à pinha. O regresso da irmã de Lisboa para a Nazaré levou Esmeralda a convidá-la para ser a cozinheira de serviço. 

“Já fazíamos umas 30 refeições com apenas quatro mesas, já não havia condições“, nota. Eis que a oportunidade de adquirir uma nova loja, do outro lado da estrada, onde funcionava uma churrasqueira, foi também a oportunidade de alargar o negócio a uma churrasqueira & take away, em 2011. “A minha irmã passou a cozinhar lá, o que já me permitia trazer a comida para a cafetaria e vender para fora“, explica Esmeralda Pereira. 

Só que a história não fica por aqui. A papelaria que existia ao lado da churrasqueira também acabou por fechar e, mais uma vez, Esmeralda adquiriu o espaço para alargar a churrasqueira. O filho, Hugo Pereira, acabou por se juntar ao negócio da mãe e deu-lhe novo impulso. Desde então, há fila todos os dias para a picanha, os secretos, o frango assado, o entrecosto e os dois pratos do dia (um de peixe e outro de carne). “Inicialmente os almoços eram mais fortes que os jantares, mas agora já há dias que os jantares superam os almoços. Chega a haver um tempo de espera de meia-hora”, afiança a empreendedora.

Bem, mas faltava ainda qualquer coisa. Em 2016, a empresa familiar decidiu adquirir um novo espaço naquele quarteirão para ali abrir, dois anos depois, o restaurante Esmeralda. Com uma carta generosa em carnes maturadas, e com o slogan de cozinha familiar, o espaço dispõe de 43 lugares sentados, decorado a rigor para que os “clientes se sintam em casa”, nota. A especialidade são os grelhados, preparados pela própria Esmeralda, e os doces. Os clientes chegam de todo o lado e alguns são bem conhecidos, como o Rodrigo Koxa e a Maya Gabeira...

É certo que não há vista para o mar em nenhum dos três negócios de Esmeralda, mas há estacionamento, há qualidade na comida e há tranquilidade e sossego para se estar e comer. 

Foi a vender fruta no mercado da Nazaré que foi conquistando os seus clientes. Com a abertura da frutaria, da churrasqueira e do restaurante, conquistou também uma família.  

REGIÃO DE CISTER (RC) > A história da Esmeralda é também a história deste negócio?
ESMERALDA PEREIRA (EP) > Comecei a vender bolos à porta da igreja quando tinha uns 24 anos. Depois vendi batatas doces e maçãs assadas e passei a vender fruta no mercado da Nazaré ao domingo. Ao longo de 25 anos, tive a mais bonita bancada de fruta. Quando as grandes superfícies comerciais se instalaram no norte da Nazaré pensei que um dia ainda havia de abrir uma frutaria, porque sempre tive o sonho de abrir qualquer coisa. Disse ao meu filho para procurar uma loja para comprar nessa zona e três dias depois ele tinha encontrado. Foi assim que tudo começou, em 2006.

RC > E agora com três casas abertas, como gere o negócio?
EP > O meu filho ficou responsável pela churrasqueira, a cafetaria vai entretanto passar para a minha filha e eu fico com o restaurante. É um negócio familiar – trabalha cá a minha irmã, o meu sobrinho, o meu filho e a minha nora – mas dá tudo muito trabalho, daí a necessidade de haver uma gestão muito pensada. A minha equipa também ajuda a que tudo funcione bem.

RC > Sente que o trabalho é reconhecido?
EP > Muito. E isso dá-me muito gozo. Como o nome do negócio é Esmeralda, as pessoas acabam por querer conhecer a própria Esmeralda. Às vezes até pedem para me chamar da cozinha. Os meus clientes são também meus amigos. 

BI

Designação: 
Restaurante Esmeralda
Fundação: 
2018
Número de Trabalhadores: 
15
Administração: 
Esmeralda Pereira e Hugo Pereira
Actividade: 
Restauração, cafetaria e frutaria
Sede: 
Rua Tomás Ribas, n.º 3 2450-284 Nazaré
Telefone: 
924 212 949
100
Número de refeições que a churrasqueira chega a vender em época alta