Pastelaria 3 Sabores alia tradição doceira à paixão pela cozinha

Se misturar amor, entrega e paixão, adicionar duas colheres de resiliência, finalizar com uma pitada generosa de trabalho e acompanhar com uma pavlova  estará perto de compreender a receita de sucesso da 3 Sabores. A pastelaria, “plantada” à beira-mar, na Nazaré, abriu há seis anos para “ser diferente” e foi, precisamente, pela diferença que conquistou o seu lugar ao sol.

“Ninguém vem beber café ao sul, vou ter uma vida calma e tranquila”, pensou Paula Santo, quando depois de 17 anos a registar a sorte dos outros ao balcão de um café/tabacaria tentou a sua sorte ao abrir uma pastelaria na Avenida Manuel Remígio (Marginal). Mas os planos saíram-lhe furados. “No primeiro dia em que abrimos a casa trabalhámos da 1 da tarde às 2 da manhã, no segundo das 8 às 2 da manhã e foi isto o verão todo”, conta a empresária, mãe de três filhos – “três sabores que em nada são iguais”.

A semente do que viria a ser a pastelaria estava lançada. “Sempre pensei a 3 Sabores como uma pastelaria diferente, não queria abrir mais uma”, confessa a nazarena, que foi assumindo naturalmente a função de cozinheira.

“Fui fazendo os meus bolos, as minhas tostas e as minhas sopas. Montei uma Bimby ao lado da torradeira e foi assim que numa primeira fase a casa funcionou”, explica a empresária, que conta com a ajuda da filha mais velha no negócio. O espaço começou a ser pequeno, acabando por um ano depois de ter a porta aberta adquirir um armazém e três anos depois a loja ao lado para poder ampliar a pastelaria. Mas, mais uma vez, os planos não correram como previsto. O marido adoeceu e viria a falecer uns meses mais tarde. “O que era para ter sido o crescimento da 3 Sabores passou a ser o meu refúgio e a minha terapia”, admite Paula Santo, que arregaçou as mangas e vestiu o avental para iniciar, sem saber, um novo ciclo da pastelaria.

Transformou a loja numa cozinha, ligada apenas à pastelaria através de uma janela. “Deixei de querer fazer balcão e comecei a dedicar-me mais às receitas de pastelaria”, nota. Para aprimorar o conhecimento e a experiência, inscreveu-se em várias formações, que acabaram por antever um novo capítulo na história da 3 Sabores. “Numa conversa com a chef de pastelaria Rita Nascimento, já depois da formação, surgiu em conversa a pavlova. Sempre foi um doce que gostei muito e um dos primeiros que tive à venda na pastelaria”, explica a nazarena, que viu ali uma oportunidade de, uma vez mais, apostar na diferença.

Criar uma pavlova tradicional com ovos moles passou, assim, a ser o grande desafio de Paula Santo. “Até chegar à receita de hoje deitei muita coisa para o lixo. Umas vezes saía esponja, outras nem sei bem o que saía”, conta Paula Santo. Certo é que, desde então, não tem tido mãos a medir para tanta encomenda. “Ligam-me de todo o lado para pedirem pavlovas. Só na véspera de Natal fiz mais de 100 e tive de negar outras 100 porque não conseguia dar resposta”, admite. A par com os bolos à fatia, as tostas, as panquecas, as refeições mais ligeiras e os brunchs, a pavlova acabou por ser a cereja no topo do bolo de... 3 Sabores.

A pavlova tornou-se a grande especialidade da 3 Sabores. A adaptação à receita da sobremesa em forma de bolo e a base de merengue, cujo nome é uma homenagem à bailarina russa Anna Pavlova, é procurada por clientes de norte a sul do País.

REGIÃO DE CISTER (RC) > A pavlova foi a receita mais improvável do sucesso?
PAULA SANTO (PS) > Sem dúvida. Quase sem querer a pavlova tornou-se a grande imagem de marca da pastelaria 3 Sabores. Comecei por vende-la à fatia e hoje em dia vendo-a de todas as formas: em tronco, em números, descontruída... Um dos grandes desafios aconteceu no Carnaval do ano passado quando foram precisas mais de duas centenas de pavlovas em copos para cada elemento do grupo de carnaval “Sakanagem”, que naquele ano eram “russes”. Quando comecei a fazer as pavlovas em forma de números para substituir o bolo de aniversário tradicional as encomendas também dispararam. Haja criatividade.

RC > A criatividade e a inovação explicam a outra parte do sucesso?
PS > Também. Não sou a inventora da pavlova, mas a minha receita deu a conhecer muito a sobremesa na região e mais do que isso serviu de influência para a confecionar. Tenho muita gente a pedir-me a receita, mas também tenho pessoas de Alcobaça, Leiria, Aveiro, Setúbal, Algarve ou Porto a encomendar pavlovas.

RC > O espaço foi alvo de uma recente reformulação...
PS > Sim, no final do ano passado, o espaço abriu renovado ao público. Se quero dar um novo passo, tenho de mudar. É um recomeço.

BI

Designação: 
3 Sabores Pastelaria
Fundação: 
2013
Número de Trabalhadores: 
5
Administração: 
Paula Alexandra Santo
Actividade: 
Pastelaria
Sede: 
Avenida Manuel Remígio, 5 2450-106 Nazaré
Telefone: 
915 919 809
100
Número de pavlovas que a Pastelaria 3 Sabores vendeu na véspera de Natal