Alunos do 1.º ciclo do Agrupamento de São Martinho revelam prazer pelos livros

Para muitos alunos a leitura pode ser uma imposição feita pelos professores ou pelos encarregados de educação. Mas para os alunos do 1.º ciclo do Agrupamento de Escolas de São Martinho do Porto a atividade, desenvolvida ao longo do ano letivo, foi realizada com prazer e imaginação.

No âmbito da Semana da Leitura e do Plano Nacional de Leitura, as crianças dinamizaram diversos projetos, promovendo a interação entre a comunidade escolar e local, assim como atividades de consciencialização cívica nos mais jovens.

Entre as várias atividades, a Escola Básica do Casal Velho apresentou o projeto “Todos a Ler”, caraterizado por cinco minutos diários de leitura que desafiou alunos, pais e docentes a ler um excerto “em voz alta”. O “Ateliê na sala de aula - fim alternativo de história” desafiou o lado criativo dos alunos, que criaram em conjunto uma gravura referente à obra “João Pé de Feijão”. Na Escola Básica da Feteira, as “Leituras Livres” e “Pinturas no Recreio” foram as atividades mais populares. Os alunos dinamizaram ainda uma Feira do Livro, no recreio da escola, que contou com a presença de “leitores adultos”.

Por sua vez, a Escola Básica da Cela desafiou avós e tios dos alunos do 1.º ano a ler um livro à turma e as crianças a criar uma capa alternativa para um livro à sua escolha e um acessório para as personagens principais da narrativa. A Escola Básica de Alfeizerão apostou numa matiné de leitura na Casa do Povo daquela localidade, com a participação de alunos, respetivos encarregados de educação e outros familiares, e numa visita ao Centro Social e Paroquial de Alfeizerão para uma tarde de leitura aos utentes. Joaquim Clérigo, presidente da Junta de São Martinho do Porto, foi um dos convidados das atividades da EB1 de São Martinho do Porto, que marcaram a iniciativa com leituras por várias instituições da vila. Também as crianças do Jardim de Infância do Casal Pardo participaram na atividade como “leitores de palmo e meio”.

Com esta iniciativa, o agrupamento tenta contrariar os últimos estudos que revelam que a leitura é a 5.ª atividade mais comum nos tempos livres das crianças, bem abaixo das tecnologias.