Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros pode ganhar piscina biológica e infinita

Uma piscina biológica e infinita com uma vista panorâmica para o Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros no Arrimal? É a proposta de Gonçalo Costa Cordeiro e Sara Ribeiro, que pela terceira vez integra a lista de finalistas ao Orçamento Participativo. 

O projeto prevê a requalificação da Lagoa da Portela do Vale de Espinho, local que se encontra abandonado, com o objetivo de o devolver à comunidade e de criar uma nova atração à localidade da Portela de Vale de Espinho, da União de Freguesias de Arrimal e Mendiga. A proposta teve a sua ideia original em 2017 e participou nos orçamentos participativos em 2018 e 2020.

“A ideia é tirar partido do potencial deste património natural”, sublinha Gonçalo Costa Cordeiro ao REGIÃO DE CISTER. “Pretendemos dinamizar esta ‘aldeia esquecida’, promovendo a sustentabilidade e potenciando o turismo”, acrescenta um dos proponentes da proposta. 

A “Requalificação da Lagoa da Portela do Vale de Espinho” visa a criação de uma piscina cuja purificação da água seja realizada através de processos naturais, numa zona em que o utilizador possa contemplar a natureza e a paisagem. A proposta inclui o suporte da zona envolvente com pedra natural, a impermeabilização da lagoa, de forma a que não perca as suas características morfológicas, a construção de estruturas para que a zona seja visitável e transitável pedonalmente, a criação de uma zona comercial, de uma zona de lazer com esplanada, o aproveitamento e o aumento da estrutura já existente, transformando-a em balneário, e ainda a construção de uma zona de  estacionamento organizado. 

Na edição anterior do Orçamento Participativo, a proposta “Requalificação da Lagoa da Portela do Vale de Espinho” ficou em 2.º lugar, com 354 votos. Este ano vai competir com as propostas “Campo de Padel – Juncal”, “Via Pedonal da Lapa – Alqueidão da Serra”, “Nós na Natureza”, “Pinhal do Povo” e “Requalificação da ‘Eira da Maquina’ – Entrada Sul de Serro Ventoso”. A 4.ª fase de votação vai decorrer até 31 de agosto. 

O projeto mais votado vai ser integrado na proposta de Orçamento Municipal e também no Plano de Atividades do Município para 2022, com o compromisso de execução até dezembro. 

Na edição deste ano do Orçamento Participativo, a participação é alargada a jovens, maiores de 16 anos, com a possibilidade de cada munícipe votar em duas propostas distintas. O valor atribuído ao projeto vencedor volta a ser de 75 mil euros. Os cidadãos podem votar através do portal de participação op.municipio-portodemos.pt ou presencialmente em Assembleias Participativas nas Juntas de Freguesia. 

A proposta de Susana Reis para a conservação e restauro da talha dourada da antiga igreja matriz de Mira de Aire foi a vencedora do Orçamento Participativo do ano passado, com 612 votos, que teve como objetivo travar o processo de degradação dos retábulos em talha dourada deste património com vista à valorização do seu acervo.