Domingo, Novembro 27, 2022
Domingo, Novembro 27, 2022

“Rapazes” preservam legado do Sr. “Coradinho”

Data:

Partilhar artigo:

A “Loja dos Rapazes”, ou ainda popularmente conhecida como “Alberto Coradinho”, é tudo o que resta de uma antiga igreja: a Igreja de Santo António, em Alcobaça. É, pelo menos, o que reza a história. O facto é que a casa de tecidos a metro e vestuário, nas mãos de José Santos e António Nazário desde 2008, é um hino à história e às tradições da cidade.

A “Loja dos Rapazes”, ou ainda popularmente conhecida como “Alberto Coradinho”, é tudo o que resta de uma antiga igreja: a Igreja de Santo António, em Alcobaça. É, pelo menos, o que reza a história. O facto é que a casa de tecidos a metro e vestuário, nas mãos de José Santos e António Nazário desde 2008, é um hino à história e às tradições da cidade.

O rés-do-chão do prédio, que faz esquina com a Rua 16 de Outubro e a “Rua das Lojas”, nome pela qual é conhecida a Rua Alexandre Herculano, mantém-se intacto há décadas. Acredita-se que as lajes que ainda ali restam confirmam a tese do passado religioso daquele lugar, que à época se localizava na chamada “Rua de Santo António”, designação dada precisamente por ali ter existido a Igreja de Santo António. Depois da demolição da igreja, em 1911, funcionou naquele espaço a Casa Bancária de António Couto da Silva, seguindo-se a gestão do genro, José Martins de Sousa, e, mais tarde, deste com Alberto Domingues Trindade, pai do último proprietário, de quem José Santos e António Nazário herdaram o negócio.

Região de Cister - Assine Já!

João Alberto Trindade, vulgo “Alberto Coradinho”, ainda é recordado pelos “dois rapazes” que os clientes encontram atrás do balcão. “Quando o Sr. Alberto faleceu e a loja fechou por uns meses, vimos no espaço uma oportunidade para termos um negócio por conta própria”, adianta António Nazário, que era funcionário da Model, tal como o seu sócio, que funcionava ali mesmo ao lado. “Reabrimos a loja a 17 de maio de 2008, com a condição, da parte da família do sr. Alberto, de não mudar a traça do espaço“, nota José Santos. 

A chita de Alcobaça já era uma imagem de marca do espaço e assim se mantém até aos dias de hoje. “Nos tecidos, a chita continua a ser a mais vendida”, confirma António Nazário, explicando a diferença entre o tecido original e as imitações. Não trabalham com as agulhas, nem com as máquinas de costura, mas sabem como ninguém aconselhar o cliente na hora de escolher o tecido. “Depende sempre da funcionalidade, da ocasião, da qualidade e da carteira”, nota José Santos, lamentando o pouco movimento na loja nos últimos tempos.

Em vésperas de Carnaval, o negócio até “mexe” qualquer coisa, mas nada comparado com o antigamente. “Não chegámos a ter empregados, mas houve alturas em que teríamos precisado”, confirma um dos sócios da “Nazário e Santos”. Além dos tecidos, vendem-se calças, camisas, malhas e casacos de homem e senhora, bem como têxteis, como colchas e toalhas de mesas. Aos 64 e 60 anos, os amigos não escondem o peso da responsabilidade em abrir diariamente (exceto ao domingo) uma loja quase centenária, contando que, muitas vezes, “entram na loja só para tirar fotografias porque não viram nada do género”. É , também por isso, uma casa com história… de bons rapazes. 

AD Footer

Artigos Relacionados

Hélder Roque assume direção clínica das clínicas do Grupo H Saúde

Hélder Roque é o novo diretor clínico da Clínica das Olhalvas- Leiria, da Policlínica Central da Benedita e...

Orquestra Típica e Coral de Alcobaça voltou aos palcos três anos depois

Depois de cerca de três anos com a atividade suspensa, a Orquestra Típica e Coral de Alcobaça voltou...

Degustação de vinhos e sabores locais apreciada por 1 milhar de pessoas no Vimeiro

A “I Degustação de vinhos e sabores da terra”, evento promovido pelo Círculo de Arte, Cultura e Desporto...

Ana Pagará reconduzida como diretora do Mosteiro de Alcobaça

Ana Pagará foi reconduzida no cargo de diretora do Mosteiro de Alcobaça, para uma comissão de serviço de...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!