Terça-feira, Abril 16, 2024
Terça-feira, Abril 16, 2024

Leandro Santos: “Coloquei a fasquia muito alta para as condições que tinha”

Data:

Partilhar artigo:

Nascido a 1 de fevereiro de 1979, o maiorguense dedicou toda a vida ao desporto. Desde logo quando, em criança, deu os primeiros chutos pelo Ginásio, o clube do seu coração e que representou durante grande parte da sua vida. Labora atualmente com o pelouro do Desporto da Câmara de Alcobaça, trabalhando também na coordenação do Centro Escolar de Alcobaça. Começou a carreira de treinador nos azuis, seguindo-se uma feliz passagem pelo Beneditense, entre 2015 e 2018, antes de regressar ao Municipal de Alcobaça para se tornar no treinador que mais tempo orientou os seniores consecutivamente e o técnico com mais jogos na Honra.

Na hora da saída, e sem títulos para apresentar aos adeptos, Leandro Santos assume que o balanço da passagem no cargo de treinador principal do Ginásio “não foi positivo”. Mas justifica: “Isso aconteceu porque, provavelmente, coloquei sempre a fasquia muito alta para as condições que tinha. Não consegui nenhum objetivo a que me propus, no entanto as inúmeras dificuldades que passei no clube, a todos os níveis, fizeram-me crescer muito enquanto treinador e enquanto pessoa. Acredito, e pelo que me lembro desde que acompanho o Ginásio, nenhum treinador aqui passou por tantas dificuldades e tantos problemas como eu passei. Mas, independentemente de tudo isso, foi um orgulho representar este clube, assim como privar com algumas pessoas durante estes cinco anos e meio.”

Por agora, o treinador precisa “descansar e recuperar forças” e “aproveitar para aprofundar conhecimentos”, desejando que o Ginásio encontre “um fio condutor, que defina o que quer, principalmente para a equipa sénior do clube”. “Que forme uma Direção forte, unida, dinâmica, de grande entreajuda e com todos direcionados no mesmo interesse. Desejo também que consiga ter mais um campo para que o clube possa, por um lado aumentar ainda mais o número de atletas a praticar futebol, mas também para que isso aconteça com melhores condições de trabalho para os treinadores e atletas”, considera o antigo jogador dos azuis, que não tem dúvidas: “A porta estará sempre aberta, dependendo do que o clube quiser ou precisar de mim, mas acima de tudo dependendo sempre das pessoas que estiverem à frente do clube.”

Região de Cister - Assine já!
AD Footer

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Três mulheres identificadas pela PSP de Alcobaça por furtos em hipermercados

A Polícia de Segurança Pública (PSP) de Alcobaça intercetou e identificou, na passada terça-feira, dia 9 de abril,...

Circulação alternada de trânsito na EN362, no concelho de Porto de Mós

A EN362, na Ribeira de Cima, concelho de Porto de Mós, está a ser alvo de uma intervenção...

E se fôssemos um País de Poetas?

este mesmo ano em que celebramos os 500 anos do nascimento do nosso poeta maior, Camões, pergunto-me como...

Jüra nomeada para os prémios Play

Jüra está entre os nomeados da 6.ª edição dos Play – Prémios da Música Portuguesa. A cantora e...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!