Futebol: Flávio Pistolas vestiu capa de herói em dérbi

Aos 75’, defendeu um penálti quando o jogo estava empatado. O árbitro ordenou a repetição do penálti e mais uma vez...voltou a defender.

No domingo, o guarda-redes Flávio Pistolas vestiu a capa de herói e ajudou os alvinegros a vencerem o Nazaré SC (2-0) no primeiro dérbi da história entre os dois clubes da vila.

O guardião foi decisivo para manter o jogo empatado a zero na ponta final do encontro, momentos antes de a turma de Francisco Mota marcar por duas vezes, garantir o triunfo e segurar a liderança da zona sul da 1.ª Divisão distrital.

Flávio Pistolas regressou às balizas depois de um interregno de nove temporadas, período em que decidiu jogar futsal. A oportunidade de regressar aos relvados esta época surgiu e o experiente guarda-redes, de 36 anos, não hesitou em aceitar o convite.

“Pela situação que se vive a nível mundial, o futebol distrital tem sido muito afetado e entendi que ainda poderia ajudar o meu Nazarenos”, conta ao REGIÃO DE CISTER o guardião que, no último ano, perdeu 30 quilos para recuperar a forma física.

“Pesava 128 quilos há um ano e entendi que tinha de melhorar a minha condição física”, revela Flávio Silva, conhecido por Pistolas, que com os seus 96 quilogramas foi decisivo no último jogo ao defender dois penáltis. “Na primeira grande penalidade percebi para onde o adversário ia rematar e atirei-me, no segundo foi instinto e acabei por me atirar para o mesmo lado, acreditando que ia ser batido da mesma forma”.

E foi mesmo: Filipe Codinha rematou para o canto direito nas duas tentativas, mas Flávio Pistolas revelou-se mentalmente mais forte. “Aqueles são os momentos mais fáceis para os guarda-redes porque não têm pressão”, considera o “keeper”.

Quanto ao regresso aos relvados, o guarda-redes afiança que apenas aceitou por se tratar do Nazarenos. “É o clube do meu coração e tinha o sonho de terminar aqui a carreira”, afiança, adiantando que, para já, não pensa no fim da carreira. 

Neste regresso, o também técnico de formação do clube adianta que “a subida de divisão seria a cereja no topo do bolo”, recordando que um emblema como o Nazarenos deve estar “no mínimo, na Divisão de Honra”.

Flávio Pistolas iniciou-se nos infantis do Nazarenos na época 1995/1996 e na formação alvinegra foi campeão da 1.ª Divisão distrital em iniciados e juvenis. A estreia no escalão sénior aconteceu ao serviço da Biblioteca, em 2004/2005, numa temporada em que o clube festejou a subida à Divisão de Honra.

Em 2007 regressa aos alvinegros, que representou no principal escalão distrital por mais quatro épocas antes de se estrear no futsal, modalidade que praticou até 2018. Esta é, de resto, a segunda época do jogador na 1.ª Divisão distrital e na única vez que a tinha jogado subiu de divisão...

Entretanto, o Nazaré SC segue na 10.ª posição da zona sul, com um empate em três jogos, enquanto o Beneditense voltou a perder em casa, desta feita diante da equipa B da U. Leiria (1-2). O jogo foi resolvido com um golo do... alcobacense Bernardo Gomes.