Jornalistas juniores à descoberta de São Bernardo

Dia 20 de agosto é um dia importante para a região de Alcobaça, dando assim início à Feira de Alcobaça com o intuito de homenagear São Bernardo.

O dia começa com um desfile onde se juntam algumas das associações de Alcobaça, em paralelo com as provas de paraciclismo e ciclismo.

Mas quem foi São Bernardo? São Bernardo é uma figura bastante importante para Alcobaça, tal como disse a senhora vereadora da cultura, foi um dos maiores impulsionadores da ordem de Cister que acabou por fazer erguer o Mosteiro de Alcobaça. 

Outra das homenagens a São Bernardo presentes no dia 20 de agosto foi o novo projeto de Amílcar Coelho. “ A hermenêutica do amor” é o título do seu novo livro cultural, que apresenta um pouco da vida de São Bernardo nas palavras de um professor de filosofia.

 

 

Entrevista à vereadora da Câmara Municipal de Alcobaça, Inês Silva

Quais é que foram as formas que a Câmara arranjou para homenagear S. Bernardo?

Nós hoje tivemos uma missa logo às 11 horas, que é um momento alto de homenagem a S. Bernardo porque ele é um santo, foi um homem religioso, era cristão e divulgou muito a fé cristã pela Europa, construindo muitas abadias iguais ao Mosteiro de Alcobaça. Portanto começámos logo pela missa e depois pela apresentação do livro, um livro sobre o amor em S. Bernardo que acontece hoje no dia 20 aqui no stand do município de Alcobaça. É uma outra forma de homenagear S. Bernardo. Na parte das exposições, temos uma exposição dedicada a Pedro e Inês, que é já uma história muito antiga. Estão vestidos com rendas de bilro, sendo mais um momento em que festejamos S. Bernardo. Toda esta feira, já muito antiga, é uma feira em honra de S. Bernardo sendo um ponto para todas as pessoas que vivem no território aqui em Alcobaça onde nós recebemos os visitantes e os turistas, com muitas atividades, com divertimentos, com mostra comercial, com comida, fartura, sendo portanto um espaço para todos. S. Bernardo também defendia esses valores da união, do amor, da paz e da alegria.

Conseguimos, então, perceber que S. Bernardo é alguém muito importante para Alcobaça, concorda?

Com certeza, S. Bernardo é o nosso santo padroeiro, não fosse S. Bernardo responsável por enviar uma colónia de monges que fizeram o mosteiro de Alcobaça e portanto todos nós devemos ao Mosteiro de Alcobaça e aos seus monges um desenvolvimento de território, logo somos um bocadinho filhos do Mosteiro de Alcobaça.

Entrevista ao professor Amílcar Coelho

Podemos falar um pouco do livro e da capa em geral?

Tem as cores associadas a Cister. O vermelho é um afeto de amor que é muito importante, o mosteiro que é uma obra dos monges de Cister, que estão a olhar para o abade de S. Bernardo, porque ele com as suas ideias ajudou a construi-lo em cima de terra e do movimento das coisas. Na contra-capa está o mosteiro de Alcobaça e as palavras de um amigo. Do livro só digo coisas sobre vocês, os jovens, porque fala de uma coisa também importante que é o amor, e sem o amor nada somos.

Conseguimos, então, ver pelo facto de ter escrito um livro que gosta muito de São Bernardo. De onde surgiu esse interesse?

Sou filósofo, penso. S. Bernardo faz-me pensar e nós precisamos de pensar e o livro é para ser lido e também para pôr as pessoas a pensar.

Pensa ser um livro fácil para todos lerem?

É um livro que se lê, não há livros fáceis, mas é um livro que se lê. Está escrito em português, vocês todos conseguem ler. Tem partes mais simples e outras menos.

E, por fim pensa ter uma abordagem alternativa com este livro? Conseguiu ter essa abordagem?

Sim, eu penso que as minhas ideias são diferentes, na medida em que eu interpreto à minha maneira. Aliás o título também tem haver com interpretar o amor a partir daquilo que somos.

 

Entrevistas: Matilde Almeida 

Texto: Bebiana Ferreira

Vídeo: Carolina Azevedo

Fotos: Marta Franca

Redes sociais: Beatriz Simões