Segunda-feira, Agosto 15, 2022
Segunda-feira, Agosto 15, 2022

Beneditense lança apelo para reconstruir casa no Nepal

Data:

Partilhar artigo:

Um ano depois da viagem, que ligou a Benedita ao Cáucaso de bicicleta, André Serrazina, um dos três beneditenses que “pedalou” na aventura durante quatro meses, lançou uma campanha de recolha de fundos para reconstruir a casa de uma das famílias que acolheu os jovens no Nepal. A habitação, situada na zona de Bhaktapur, foi destruída pelo terramoto que se registou no passado dia 25 de abril, naquela que foi já considera a maior catástrofe natural da região em mais de um século.

Um ano depois da viagem, que ligou a Benedita ao Cáucaso de bicicleta, André Serrazina, um dos três beneditenses que “pedalou” na aventura durante quatro meses, lançou uma campanha de recolha de fundos para reconstruir a casa de uma das famílias que acolheu os jovens no Nepal. A habitação, situada na zona de Bhaktapur, foi destruída pelo terramoto que se registou no passado dia 25 de abril, naquela que foi já considera a maior catástrofe natural da região em mais de um século.

Suman e a sua família acolheram por uma noite no seu quintal André Serrazina e Natalina Bordino, dois dos aventureiros que foram além do Cáucaso, seguindo para leste. “Foi um dia duro na bicicleta e começámos a procurar sítio para acampar demasiado tarde. Tivemos a sorte de encontrar a família do Suman, que nos deu espaço para acampar e uma bela noite de convívio”, recorda o beneditense, referindo que “foi engraçado conhecer de perto uma típica família de agricultores da zona de Bhaktapur, que têm uma vida simples e dura mas uma enorme alegria e vontade de partilhar o que têm“.

Não houve feridos na família nepalesa, mas a casa esta inabitável. “Contactámos o Suman logo depois do terramoto para saber se estava tudo bem. Agora estão todos em tendas improvisadas e preparam-se para enfrentar a época das chuvas”, explica André Serrazina. “O Suman nunca me pediu ajuda diretamente, mas queixou-se que nenhuma ajuda internacional chegava às aldeias. A nossa ideia é juntar algum dinheiro e mandar-lhe, para ajudar a arranjar a casa antes das chuvas”, acrescentou.

 Qualquer apoio poderá ser importante, uma vez que “o ordenado médio do Nepal são 120 euros/mês”, lembra o jovem. Também o leitor poderá ajudar, enviando o valor que entender para o IBAN 5000 3501 5700 0107 5570 04 9 até dia 7 do próximo mês. 

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Alemão e grego dinamizam projeto com objetos de praia

“Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se tranforma”. A célebre frase de Antoine Lavoisier pode...

Mirense Romano Saraiva soma conquistas no meio artístico

Aos 24 anos, Romano Saraiva divide a vida entre o ensino de Educação Visual e um projeto artístico...

UFAV cria bolsas de “Desporto para Todos” para apoiar situações de fragilidade social

A União das Freguesias de Alcobaça e Vestiaria (UFAV) tem em curso um projeto de apoio ao desporto...

Instituições do concelho de Porto de Mós acolhem grupo de voluntários espanhóis

As instituições do concelho de Porto de Mós receberam, em julho, um grupo de 16 voluntários espanhóis. Vindos...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!