Terça-feira, Julho 5, 2022
Terça-feira, Julho 5, 2022

Menino que quase nasce na ambulância quer ser bombeiro

Data:

Partilhar artigo:

Nada acontece por acaso. E uma das provas disso mesmo é a história que se segue. Leonardo Alexandre Constantino frequenta, pelo primeiro ano, a escola de cadetes e infantes da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Pataias. Logo no primeiro dia de aulas, houve empatia imediata entre os instrutores Andreia Magalhães e Celso Luz e o pequeno aprendiz de bombeiro. E não era caso para menos: há sete anos, os dois bombeiros estavam de serviço quando foram chamados para transportar uma grávida para o Hospital Santo André, em Leiria.

Nada acontece por acaso. E uma das provas disso mesmo é a história que se segue. Leonardo Alexandre Constantino frequenta, pelo primeiro ano, a escola de cadetes e infantes da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Pataias. Logo no primeiro dia de aulas, houve empatia imediata entre os instrutores Andreia Magalhães e Celso Luz e o pequeno aprendiz de bombeiro. E não era caso para menos: há sete anos, os dois bombeiros estavam de serviço quando foram chamados para transportar uma grávida para o Hospital Santo André, em Leiria.

“E este foi o menino transportado por nós, naquele dia, ainda na barriga da mãe, mas ansioso para nascer”, como lhes foi revelado pelo pai de Leonardo. À gestante já tinham “rebentado as águas” e quase que o menino nascia a caminho do hospital. “A vida sempre a surpreender. Nós que o levámos para nascer, hoje somos os seus instrutores”, nota Andreia Magalhães. “Foi um misto de emoções: nervosismo, caso tivéssemos de fazer o parto mas, ao mesmo tempo, emoção pelo nascimento de uma criança”, acrescentou Celso Luz. Os instrutores dizem-se muito satisfeitos com o nível de interesse manifestado pelo cadete. “Está a ter uma boa adaptação, mostra interesse e gosta do que envolve carros de incêndio – carros vermelhos, como ele diz”, explica a bombeira, garantindo que o menino “está bem integrado no grupo”.

Atualmente, e a par de Leonardo Constantino, a escola de cadetes e infantes conta com mais 13 instruendos, com idades compreendidas entre os 6 e os 16 anos. Mas “a capacidade total é de 30”, como explica Nélio Gomes. O comandante da corporação recorda que a escola “já formou vários bombeiros que se encontram no quadro ativo e estão legitimados para o teatro das operações”. “Noções de educação física, socorrismo e cultura da segurança são ali transmitidas”, frisa Nélio Gomes, assegurando que a escola se encontra aberta a todos que a queiram frequentar, aos sábados das 10 às 12 horas.

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Colisão entre motociclo e veículo ligeiro provoca um morto na Nazaré

Um homem, de nacionalidade inglesa, morreu esta segunda-feira na Nazaré, na sequência de uma colisão entre um motociclo...

Uma “tasca” em alta rotação movida a gasolina e… caracol

Costuma dizer-se que quem anda à velocidade do caracol não chega propriamente rápido ao destino. Mas, por paradoxal...

Jovem detido por furto a residência em São Martinho do Porto

Um jovem de 25 anos foi detido, no dia 29 de junho, por furto em interior de residência...

Duas empresas de Alcobaça distinguidas como “Gazela 2021”

A construtora A.B. Inácio, LDA, sediada na Benedita, e a fabricante HC - Caixilharia LDA, localizada na Cela...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!