Quarta-feira, Fevereiro 1, 2023
Quarta-feira, Fevereiro 1, 2023

Beneditense parte para Cabo Verde para criar “pontes”

Data:

Partilhar artigo:

A beneditense Margarida Catarino não é engenheira civil, nem construtora, mas partiu, este sábado, para Cabo Verde com o objetivo de criar “pontes”.

A beneditense Margarida Catarino não é engenheira civil, nem construtora, mas partiu, este sábado, para Cabo Verde com o objetivo de criar “pontes”. “Pontes simbólicas entre povos e culturas”, explica a assistente social, que vai estar durante todo o mês de agosto em Calheta de São Miguel, na Ilha de Santiago, no âmbito do projeto de voluntariado “Ponte 2017 – Acolher o Toque da Missão”, organizado pelo movimento missionário de jovens católicos “Jovens Sem Fronteiras”.

Esta não é a primeira vez que a jovem, de 29 anos, se aventura num projeto de voluntariado. Em 2011, Margarida Catarino esteve em Angola. A “experiência única” que vivenciou levou-a a “atirar-se” de novo para o continente africano. Não sabe enumerar exatamente os motivos que a fazem partir, mas é a “partilha e a interação entre as pessoas” que a movem.

Região de Cister - Assine Já!

O projeto “Ponte” tem várias vertentes, entre as quais a educativa e cultural. A missão, que integra dez jovens portugueses e um padre missionário, permitirá aos voluntários dar aulas de língua portuguesa, música e informática a crianças, bem como formação a professores. “Mais do que o trabalho que fazemos, o mais importante é deixar meios para que as comunidades sejam autossuficientes e continuem a trabalhar”, defende a voluntária. Além disso, o projeto “Ponte” pretende abordar os assuntos de direitos humanos, educação para o desenvolvimento, apoio extraescolar, desporto, entreajuda e saúde.

Entretanto, Margarida Catarino tem recebido donativos de várias instituições, empresas e particulares. A assistente social destaca o apoio da Câmara de Alcobaça, que ofereceu um conjunto de materiais escolares e didáticos, de uma papelaria na Benedita, que entregou “muitos livros, cadernos e material” e das várias pessoas que doaram “flautas de bisel e guitarras”. “Tenho recebido muitos donativos, uma parte deles já foram em contentores para Cabo Verde”, refere a beneditense. 

A voluntária pretende criar “pontes simbólicas” com a população num projeto que aposta na ligação entre povos.

 

AD Footer

Artigos Relacionados

Andar com o escritório numa mão

Fábio Filipe tinha duas opções: passar das funções de club manager para área manager de um clube de...

‘Dragão’ Stephen Eustáquio marca e conquista Taça da Liga de futebol

Stephen Eustáquio teve papel bastante importante ao apontar o primeiro golo na vitória que deu ao FC Porto...

Oonify abre espaço dedicado à formação na Nazaré

A Oonify abriu, recentemente, na Nazaré, um novo espaço de formação, a que chamou de "Oonify Space". O novo...

Sons Com(n)Sentidos ouvem-se agora nos cavaquinhos e percussão da Cercilei

Em cima do palco, os homens apresentam-se de suspensórios, as mulheres levam uma bandolete na cabeça. Todos vestem...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!