Segunda-feira, Agosto 15, 2022
Segunda-feira, Agosto 15, 2022

Anazart à procura de “casa” mostra o “Abismo de Paracletus”

Data:

Partilhar artigo:

Há um ano à procura de “casa” para expor trabalhos e “receber as gentes de todo o mundo”, a Associação Nazarena de Artes Plásticas (Anazart) não desiste de divulgar a importância da arte para o bem-estar da sociedade moderna. 

Há um ano à procura de “casa” para expor trabalhos e “receber as gentes de todo o mundo”, a Associação Nazarena de Artes Plásticas (Anazart) não desiste de divulgar a importância da arte para o bem-estar da sociedade moderna. Por isso, a coletividade vai “instalar-se” no N Bar, até ao final de junho, com a exposição “O Abismo de Paracletus” e com uma programação que inclui performances musicais, cinema, fotografia, teatro e outras propostas artísticas, sobretudo
às terças-feiras.

Com esta exposição, a associação, que conta já com 11 anos de existência, ambiciona estimular a reflexão sobre “a obsessão pelo sucesso e pelo empreendedorismo sem preocupação pelas questões sociais”. A Anazart mostra nesta exposição o trabalho de sete dos seus 37 associados. Nos próximos tempos, grande parte deles levará obras à exposição que pretende ser orgânica. “O objetivo da mostra também é criar uma dinâmica artística na Nazaré”,  sublinha o responsável pela associação. 

Para Joaquim Grilo, a Anazart é “um espaço de reflexão e de conhecimento, através das artes, onde as pessoas podem ser o seu verdadeiro eu”. Fundada em 2008, “esta é uma associação caraterizada por um exercício coletivo, onde as diferenças são um fator de união e onde a criação de arte é o objetivo comum”, reforça o nazareno.

Desde que ficou sem “casa” e após o afastamento de todos os membros fundadores, a Anazart procura trilhar um novo rumo. “Sentimos um certo preconceito, porque as pessoas começaram a questionar a razão pela qual saímos daquele espaço”, lamenta Joaquim Grilo. Mas um ano depois de ter saído das instalações cedidas pela Câmara da Nazaré, a associação, constituída por 37 associados, entre os quais 25 artistas internacionais, reergueu-se e voltou a partilhar a arte com o público. “Consideramos que é importante partilhar arte e estimular o consumo da mesma. Esta é a principal razão para não baixarmos os braços”, conclui o nazareno.

A exposição “O Abismo de Paracletus” pode ser visitada todos os dias, das 15:30 horas à meia-noite, no N Bar.

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Alemão e grego dinamizam projeto com objetos de praia

“Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se tranforma”. A célebre frase de Antoine Lavoisier pode...

Mirense Romano Saraiva soma conquistas no meio artístico

Aos 24 anos, Romano Saraiva divide a vida entre o ensino de Educação Visual e um projeto artístico...

UFAV cria bolsas de “Desporto para Todos” para apoiar situações de fragilidade social

A União das Freguesias de Alcobaça e Vestiaria (UFAV) tem em curso um projeto de apoio ao desporto...

Instituições do concelho de Porto de Mós acolhem grupo de voluntários espanhóis

As instituições do concelho de Porto de Mós receberam, em julho, um grupo de 16 voluntários espanhóis. Vindos...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!