Terça-feira, Julho 5, 2022
Terça-feira, Julho 5, 2022

Investigadores reclamam núcleo museológico sobre fornos de cal

Data:

Partilhar artigo:

Um estudo de três investigadores no âmbito de um Projeto de Investigação Plurianual em Arqueologia, aprovado pela DGPC, considera que é “urgente a realização de ações sérias e multidisciplinares no sentido de recuperar, preservar e divulgar o património arqueológico” dos fornos da cal de Pataias.

 

Um estudo de três investigadores no âmbito de um Projeto de Investigação Plurianual em Arqueologia, aprovado pela DGPC, considera que é “urgente a realização de ações sérias e multidisciplinares no sentido de recuperar, preservar e divulgar o património arqueológico” dos fornos da cal de Pataias.

O resultado daquela investigação arqueológica, que visa registar, inventariar e estudar os fornos de cal artesanais em Portugal, está publicado na revista especializada Al-Madan Online 22-4.

A investigação começou em 2013, quando foi feita uma primeira visita à vila e na qual os investigadores registaram a existência de oito fornos de cal. Porém, um estudo do Instituto Português de Arqueologia identificou um total de 15 fornos, tendo optado por dividir os mesmos em dois núcleos: Pataias 1 e Pataias 2, com 8 e 7 fornos em cada, respetivamente. Esta foi a base da investigação.

O núcleo Pataias 1 está localizado em Olhos d’Água e à data do estudo verificou-se que existiam 15 fornos, mas que apenas oito foram registados. Entretanto, nos últimos cinco anos foram destruídos três dos quais, para dar lugar a novas fábricas. Por sua vez, o núcleo Pataias 2 localiza-se entre a Rua 25 de abril e a SECIL- fábrica de cimento branco, e uma vez mais o estudo detetou a existência de 18 fornos, mais sete do que os que estão registados na DGPC.

A produção de cal em Pataias remete para a 2.ª metade do séc. XIX e um alvará publico, registado em 1899, atribuído a Joaquim Ribeiro, permitiu inicialmente o funcionamento de quatro fornos de coser cal, localizados em Olhos d’Água. O número aumentou em 1906, com a criação de mais três fornos na freguesia, licenciados a António Vieira.

A investigação focou-se também na análise de todo o processo, desde a extração da pedra, a “enforna”, a cozedura, a “desenforna” e a própria comercialização

 

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Colisão entre motociclo e veículo ligeiro provoca um morto na Nazaré

Um homem, de nacionalidade inglesa, morreu esta segunda-feira na Nazaré, na sequência de uma colisão entre um motociclo...

Uma “tasca” em alta rotação movida a gasolina e… caracol

Costuma dizer-se que quem anda à velocidade do caracol não chega propriamente rápido ao destino. Mas, por paradoxal...

Jovem detido por furto a residência em São Martinho do Porto

Um jovem de 25 anos foi detido, no dia 29 de junho, por furto em interior de residência...

Duas empresas de Alcobaça distinguidas como “Gazela 2021”

A construtora A.B. Inácio, LDA, sediada na Benedita, e a fabricante HC - Caixilharia LDA, localizada na Cela...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!