Terça-feira, Julho 5, 2022
Terça-feira, Julho 5, 2022

Quiosque Vicente: todos os dias a dar notícias aos beneditenses

Data:

Partilhar artigo:

O Quiosque Vicente abriu as portas em 1995 e cumpriu a sua missão durante mais de duas décadas até que a proprietária decidiu fazer obras de fundo na estrutura instalada no centro da Benedita. Em dezembro do ano passado, o estabelecimento reabriu ao público completamente transfigurado, alargando a oferta de serviços, mas com a simpatia que conquistou muitos beneditenses ao longo dos anos.

O Quiosque Vicente abriu as portas em 1995 e cumpriu a sua missão durante mais de duas décadas até que a proprietária decidiu fazer obras de fundo na estrutura instalada no centro da Benedita. Em dezembro do ano passado, o estabelecimento reabriu ao público completamente transfigurado, alargando a oferta de serviços, mas com a simpatia que conquistou muitos beneditenses ao longo dos anos.

“O espaço do quiosque estava a ficar algo obsoleto, hesitei no que fazer, mas os meus filhos convenceram-me a avançar com as obras e foram eles que desenharam o espaço. Ficou muito bonito”, assegura Maria de Lurdes Vicente, de 67 anos, professora aposentada que assumiu a gestão do quiosque há 24 anos.

Nascida no Casal dos Ramos, na freguesia da Cela, Maria de Lurdes, como gosta de ser tratada, chegou à Benedita na sequência de uma incrível história de amor. Há 41 anos, apaixonou-se pelo… padre da Cela e nem olhou para trás. Sem apoio da família, decidiram viver em Alvorninha, onde o pároco tinha propriedades. Um ano depois, António Vicente, afastado pela igreja, adoeceu gravemente e uma insuficiência renal tirou-lhe até a visão. O casal encontrou no amor a solução de parte dos problemas que a vida lhes colocou e, ambos professores, adquiriram um apartamento na Benedita.

Seria pela mão de Miguel Guerra que se abriu a possibilidade de a família ficar com o quiosque. Quando António faleceu, em 1993, a escritura “já estava assinada” e Maria de Lurdes ainda pensou em “desistir”, mas o então presidente da Câmara de Alcobaça convenceu-a a ficar com o negócio.

“Tinha três filhos e vendi tudo e mais alguma coisa para ganhar o suficiente para pagar as despesas e também o quiosque, porque não queria abrir ficando com dívidas”, recorda a comerciante, que hoje se orgulha da decisão.

As receitas do quiosque permitiram-lhe criar os três filhos e mandá-los para a universidade. António, Rita e Alexandra já lhe deram cinco netos e Maria de Lurdes Vicente é um exemplo de resiliência.

“A coragem é muito importante para encararmos a vida. Tive um percurso muito duro e não sei como nunca tive uma depressão, mas sou uma pessoa com imensa fé e nunca posso ter medo porque Deus é a minha trave”, assegura a celense, que se refere aos filhos como as três “pérolas”, e todos os dias abre o quiosque, das 8 às 20 horas, a dar notícias aos beneditenses.

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Colisão entre motociclo e veículo ligeiro provoca um morto na Nazaré

Um homem, de nacionalidade inglesa, morreu esta segunda-feira na Nazaré, na sequência de uma colisão entre um motociclo...

Uma “tasca” em alta rotação movida a gasolina e… caracol

Costuma dizer-se que quem anda à velocidade do caracol não chega propriamente rápido ao destino. Mas, por paradoxal...

Jovem detido por furto a residência em São Martinho do Porto

Um jovem de 25 anos foi detido, no dia 29 de junho, por furto em interior de residência...

Duas empresas de Alcobaça distinguidas como “Gazela 2021”

A construtora A.B. Inácio, LDA, sediada na Benedita, e a fabricante HC - Caixilharia LDA, localizada na Cela...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!