Segunda-feira, Julho 4, 2022
Segunda-feira, Julho 4, 2022

Paulo Inácio tranquiliza moradores de praias do Norte do concelho

Data:

Partilhar artigo:

O presidente da Câmara de Alcobaça assegurou, esta sexta-feira, apoio incondicional aos proprietários de habitações em Água de Madeiros e Vale Furado que podem ver as habitações destruídas na sequência da entrada em vigor do Programa de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) Alcobaça-Cabo Espichel.

O presidente da Câmara de Alcobaça assegurou, esta sexta-feira, apoio incondicional aos proprietários de habitações em Água de Madeiros e Vale Furado que podem ver as habitações destruídas na sequência da entrada em vigor do Programa de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) Alcobaça-Cabo Espichel.

“O relatório [do POOC] tem três cenários: um em que nada se faz, outro que defende a intervenção nas arribas e um outro que leva à deslocalização das habitações. Mas este é um plano de intervenção de 4 a 50 anos, que já estava, de alguma forma, no anterior POOC. O que dita a experiência é que documentos que falam de 4 a 50 anos, que manda milhões para o ar, não são para ser levados muito a sério”, salientou Paulo Inácio no final da Assembleia Municipal, perante uma plateia de moradores, proprietários e amigos daquelas duas praias.

O autarca do PSD lamentou o “alarmismo” criado em torno desta situação, sublinhando que “pode haver preocupação é em 1% das pessoas que não têm a casa minimamente legal”. “A informação que tenho é que está quase tudo legalizado. Se o Estado arranjasse mesmo o dinheiro tinha de indemnizar as pessoas e nem nos próximos 50 anos isto vai ser feito. Nos próximos 10 não será com certeza”, frisou o chefe do executivo municipal, notando que “Está tudo em aberto, como sempre esteve”.

Por proposta da bancada do PS, a Assembleia Municipal de Alcobaça tinha determinado a constituição de uma comissão de acompanhamento do caso, que contará também com a União de Freguesias de Pataias e Martingança.

Durante a Assembleia, um grupo de moradores daquelas praias do Norte do concelho realizaram uma vigília, admitindo a possibilidade de vir a formar uma associação. O grupo já tinha marcado presença na Assembleia de Freguesia de Pataias e Martingança para solicitar o apoio da União de Freguesias na resolução do problema e reunido nos Bombeiros de Pataias. “Este é um movimento que surgiu de forma espontânea”, frisou Nélson Oliveira, um dos moradores.

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Duas empresas de Alcobaça distinguidas como “Gazela 2021”

A construtora A.B. Inácio, LDA, sediada na Benedita, e a fabricante HC - Caixilharia LDA, localizada na Cela...

Aluno da Escola D. Pedro I conquistou 1.º prémio nas Olimpíadas da Cultura Clássica

António Maria Jorge, aluno da Escola Básica 2,3 D. Pedro I de Alcobaça, ganhou o 1.º prémio nas...

Futsal: Uma década de “ouro” coroada com o 25.º título

O Sporting revalidou o título nacional, no passado sábado, depois de vencer o Benfica (4-3) no terceiro jogo...

Vai uma “jogatana” de padel?

Pode parecer estranho, mas esta história sobre o padel começa a ser contada por um treinador de... futsal....

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!