Domingo, Novembro 27, 2022
Domingo, Novembro 27, 2022

Bombeiros de Alcobaça rejuvenescem corporação

Data:

Partilhar artigo:

Luís Filipe Gusmão viveu durante quase 15 anos no quartel dos bombeiros de Alcobaça, mas só agora, quando está prestes a completar meio século de vida, decidiu tornar-se num bombeiro de corpo inteiro. O alcobacense é um dos novos recrutas da corporação e espera concretizar o sonho de se tornar um verdadeiro soldado da paz no próximo dia 1 de maio, quando a associação celebra mais um aniversário e se ficará a saber quantos, dos atuais 22 estagiários, reforçarão o corpo de bombeiros da cidade, dando-lhe, literalmente, sangue novo.

Luís Filipe Gusmão viveu durante quase 15 anos no quartel dos bombeiros de Alcobaça, mas só agora, quando está prestes a completar meio século de vida, decidiu tornar-se num bombeiro de corpo inteiro. O alcobacense é um dos novos recrutas da corporação e espera concretizar o sonho de se tornar um verdadeiro soldado da paz no próximo dia 1 de maio, quando a associação celebra mais um aniversário e se ficará a saber quantos, dos atuais 22 estagiários, reforçarão o corpo de bombeiros da cidade, dando-lhe, literalmente, sangue novo. 

“Estou nesta casa há quatro décadas. Entrei aos 10 anos, os meus pais trabalharam como contínuos no antigo quartel e no atual, mas desliguei-me um pouco quando fui para a tropa. Nunca perdi a ligação, através da fanfarra, e decidi que era agora ou nunca”, explica o estagiário, que teve de apresentar um pedido especial para entrar no curso, dado que a data limite para entrar para os bombeiros é os 45 anos. “Pedi uma exceção, porque tenho 49 anos e, felizmente, foi aceite”, revela, entre sorrisos, o… menos jovem dos candidatos a bombeiros de 3.ª classe.

Região de Cister - Assine Já!

Todas as noites de sexta-feiras e aos sábados, este grupo recebe instrução teórica, para depois entrar na prática. “São muitas horas que passam aqui”, reconhece o comandante da corporação, que se mostra “muito satisfeito” com a adesão aos cursos. “Infelizmente, a formação é cada vez mais difícil. Há muita burocracia, mas eles estarem cá de livre vontade é muito positivo para nós”, resume Leandro Domingos, recordando que no ano passado entraram 14 elementos para o quadro ativo, mas mais de metade provenientes da fanfarra. Este ano, o cenário é diferente e a base de recrutamento alargou-se à sociedade civil.

“Não estávamos à espera de tanta procura, sobretudo tendo em conta as dificuldades que o voluntariado tem vindo a sentir. Foram dois anos positivos”, nota o homem que sucedeu a Mário Cerol à frente dos Bombeiros de Alcobaça há pouco mais de dois anos, quando tinha apenas 26 anos. Desde então, o responsável tem procurado abrir “ainda mais” a corporação à população e “começam a ser visíveis alguns sinais”. 

“Este ano temos uma escola com 22 elementos, em que 95% são pessoas sem ligações aos bombeiros. Isso é um aspeto muito positivo e vai dar-nos condições para poder melhorar a capacidade de resposta às populações”, nota o comandante, elogiando a heterogeneidade do grupo. “Temos um brasileiro, dois ucranianos e até uma professora que fez uma promessa aos alunos de se tornar bombeira. A diferença de idades é bastante interessante”, frisa o alcobacense, que há não muito tempo também teve de estudar para ser bombeiro.

“Quando fiz a minha escola éramos seis candidatos e, infelizmente, houve anos em que não havia novos elementos para integrar no corpo ativo. O meu caso foi ligeiramente diferente. Iniciei-me nos bombeiros com 14 anos, mas já era da casa. Há sempre aquele nervosismo, porque quando chega a hora de assumirmos as funções de bombeiro de 3.ª é um passo importante na nossa vida”, afirma o licenciado em Proteção Civil e que já entrou para a história como o mais jovem comandante de sempre dos Bombeiros de Alcobaça.

Pedro Silva, de 25 anos, é um dos homens e mulheres que abdicam de muitas horas de lazer e família para cumprir o sonho de se tornar bombeiro. Natural de Carregal do Sal, no distrito de Viseu, está em Alcobaça para trabalhar com cavalos, na Quinta da Granja Abbatiale. E sente que já ganhou uma nova família. “Entrei para os bombeiros como um hóbi e o que manteve cá foi a união que se cria cá dentro, em que todos se ajudam uns aos outros”, explica o recruta, garantindo que é “preciso estudar muito e estar atento nas aulas” para ter o aproveitamento necessário. “Bombeiro não é quem quer, é quem consegue”, adverte. No próximo 1.º maio saberemos se ele conseguiu chegar à meta.

AD Footer

Artigos Relacionados

Hélder Roque assume direção clínica das clínicas do Grupo H Saúde

Hélder Roque é o novo diretor clínico da Clínica das Olhalvas- Leiria, da Policlínica Central da Benedita e...

Orquestra Típica e Coral de Alcobaça voltou aos palcos três anos depois

Depois de cerca de três anos com a atividade suspensa, a Orquestra Típica e Coral de Alcobaça voltou...

Degustação de vinhos e sabores locais apreciada por 1 milhar de pessoas no Vimeiro

A “I Degustação de vinhos e sabores da terra”, evento promovido pelo Círculo de Arte, Cultura e Desporto...

Ana Pagará reconduzida como diretora do Mosteiro de Alcobaça

Ana Pagará foi reconduzida no cargo de diretora do Mosteiro de Alcobaça, para uma comissão de serviço de...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!