Terça-feira, Julho 5, 2022
Terça-feira, Julho 5, 2022

Casa Amado: desde 1880 ao serviço da comunidade

Data:

Partilhar artigo:

Há 140 anos que o lema da Casa Amado é o mesmo: “estar ao serviço da Mendiga e não deixar que nada falte ao cliente”. Fundado por Joaquim Amado, o espaço comercial começou a funcionar como taberna e mercearia com um stock limitado. 

Há 140 anos que o lema da Casa Amado é o mesmo: “estar ao serviço da Mendiga e não deixar que nada falte ao cliente”. Fundado por Joaquim Amado, o espaço comercial começou a funcionar como taberna e mercearia com um stock limitado.

Com o passar dos anos e conforme as necessidades dos fregueses, o negócio foi evoluindo. Aqui era possível encontrar um pouco de tudo, desde comida, roupa, calçado, tecidos, ferragens, vidros ou mobílias. 
“Quando uma menina começava a namorar, a primeira coisa que vinha comprar era uma arca de madeira para ir colocando lá para dentro o enxoval que ia adquirindo até se casar”, conta ao REGIÃO DE CISTER José Neto, marido da neta do fundador, que agarrou o negócio da família em 1969.

Além da venda de bens e produtos, no estabelecimento também funcionavam diversos serviços. Na Casa Amado chegou mesmo a funcionar o Registo Civil até à Implantação da República. “O registo do nascimento era feito aqui, durante o percurso da vida compravam os bens que precisavam e quando alguém morria era também aqui que encomendavam a urna, trazendo a medida do falecido para nós fabricarmos o caixão”, recorda o atual proprietário, desvendando o mistério de muitas datas de nascimento estarem erradas.

“As pessoas vinham fazer o registo e o taberneiro apontava os dados num papel”, começa por relatar José Neto. “Entretanto, entre alguns copos, o papel ficava esquecido e quando o taberneiro se lembrava, já tinha passado o prazo para fazer o registo e registava a criança como se tivesse nascido alguns dias depois”, acrescenta entre risos. 

Até 2014 e durante mais de um século, a Casa Amado também funcionou como estação de correios. Foi revendedora da Sacor, a primeira empresa petrolífera portuguesa antes do 25 de Abril, e ainda central telefónica e correspondente bancária. 

Com o desenvolvimento dos serviços na aldeia da Mendiga ao longo dos anos, a Casa Amado deixou de prestar serviços e manteve apenas a comercialização de bens. Atualmente, além de artigos de primeira necessidade, é possível encontrar neste estabelecimento comercial eletrodomésticos, artigos de bricolagem, materiais de construção e utilidades. Além disso, também há utensílios antigos, que hoje em dia já não são produzidos. “Tenho uma paixão enorme por tudo o que é antigo e que está bem conservado”, revela José Neto.

Esta casa secular está nas mãos da quarta geração de uma família que foi impulsionadora da história e da economia da Mendiga. “Gostava muito que o negócio continuasse mas infelizmente não há empreendedores nestas zonas rurais”, lamenta José Neto, que até ter forças continuará a manter viva história da Casa Amado.

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Colisão entre motociclo e veículo ligeiro provoca um morto na Nazaré

Um homem, de nacionalidade inglesa, morreu esta segunda-feira na Nazaré, na sequência de uma colisão entre um motociclo...

Uma “tasca” em alta rotação movida a gasolina e… caracol

Costuma dizer-se que quem anda à velocidade do caracol não chega propriamente rápido ao destino. Mas, por paradoxal...

Jovem detido por furto a residência em São Martinho do Porto

Um jovem de 25 anos foi detido, no dia 29 de junho, por furto em interior de residência...

Duas empresas de Alcobaça distinguidas como “Gazela 2021”

A construtora A.B. Inácio, LDA, sediada na Benedita, e a fabricante HC - Caixilharia LDA, localizada na Cela...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!