Sábado, Novembro 26, 2022
Sábado, Novembro 26, 2022

Os grandes campeões em três décadas do circuito de São Bernardo

Data:

Partilhar artigo:

A cidade viveria um ritmo alucinante. As animações da Feira de São Bernardo atraíam à rua milhares de pessoas, fossem alcobacenses ou não. Muito se devia ao circuito de São Bernardo, que se realizaria neste 20 de agosto, e que comemorava precisamente três décadas desde a sua primeira edição, em 1990. O percurso de 75 quilómetros enche a cidade de Alcobaça de adeptos do ciclismo há 30 anos, com exceção dos anos 2009 e 2012 em que não se realizou a prova. Sem sofrer alterações significativas, no decorrer da prova o público vai “apostando as suas fichas” nos candidatos à vitória.

A cidade viveria um ritmo alucinante. As animações da Feira de São Bernardo atraíam à rua milhares de pessoas, fossem alcobacenses ou não. Muito se devia ao circuito de São Bernardo, que se realizaria neste 20 de agosto, e que comemorava precisamente três décadas desde a sua primeira edição, em 1990. O percurso de 75 quilómetros enche a cidade de Alcobaça de adeptos do ciclismo há 30 anos, com exceção dos anos 2009 e 2012 em que não se realizou a prova. Sem sofrer alterações significativas, no decorrer da prova o público vai “apostando as suas fichas” nos candidatos à vitória.

Devido à pandemia da Covid-19, as ruas da cidade não estão cortadas e a data será celebrada no próximo ano. Ainda assim, e porque é uma prova emblemática, o REGIÃO DE CISTER decidiu assinalar a data, “convocando” vários atletas a recordarem o circuito, para muitos conhecido por ser a primeira grande prova após a realização da emblemática Volta a Portugal.

Região de Cister - Assine já!

“Lembro-me perfeitamente da conquista em 1998. Vinha de uma Volta a Portugal que me correu bastante bem e a vitória no circuito de São Bernardo acabou por confirmar esse momento de forma”, relembra Vidal Fitas, que venceu a prova em 1998 e 2000 e que partilha o recorde de triunfos no circuito de São Bernardo com Orlando Rodrigues (1994 e 2003), Pedro Lopes (1997 e 2001) e Domingues Gonçalves (2017 e 2018). O diretor desportivo do Sporting CP/Tavira retrata a prova como “um percurso muito exigente”, mas que ocupa um lugar especial no seu percurso, tanto que conta com várias participações.

Também para mais tarde recordar foi o regresso de Pedro José Lopes a Alcobaça. O jovem, de 21 anos, cumpriu sete anos da formação no Alcobaça Clube de Ciclismo, e regressou à cidade pela primeira vez em 2018, num regresso “especial” por ter erguido o troféu Timóteo de Matos, dedicado ao ex-presidente do clube e figura muito acarinhada pelos ciclistas alcobacenses, falecida em junho de 2016. “Foi um orgulho conseguir subir ao pódio para receber um troféu dedicado a uma pessoa que muito apreciei”, conta o ciclista da formação Kelly / InOutBuild / UD Oliveirense, e que saiu do clube em 2017 como uma das grandes jovens promessas do ciclismo nacional.

O menino, que conta com vários títulos nacionais, confessa que imaginou a subida ao pódio, e que foi “muito bem recebido” no regresso a uma casa que bem conhece. Foi de tal forma especial, que no ano passado conquistou, de novo, aquele troféu. “O circuito é dos mais exigentes, mas como tinha competido na Volta a Portugal, já vinha bem preparado”, afiança, ainda, o campeão nacional de contrarrelógio 2015, em cadetes.

Não fosse a pandemia, Pedro José Lopes regressaria a Alcobaça e ao circuito de São Bernardo para quem sabe… erguer pela terceira vez consecutiva o prémio Timóteo de Matos.

 

Entrevista a Joaquim Marques, presidente do Alcobaça Clube de Ciclismo

“O circuito afirmou-se o melhor do pós Volta”

REGIÃO DE CISTER (RC) > Qual é a importância do circuito de São Bernardo para o clube?
Joaquim Marques (JM) > O circuito de São Bernardo tem uma importância vital para o Alcobaça Clube de Ciclismo. Para um clube amador organizar uma prova para o escalão principal, que requer um nível profissional, é um enorme desafio no qual pomos à prova toda a capacidade organizativa e esse desafio tem sido superado com assinalável êxito. Ao longo destes 30 anos, o circuito de São Bernardo afirmou-se como o melhor circuito do pós Volta a Portugal e o evento desportivo que mais público atrai a Alcobaça num só dia.

RC > Parte da época desportiva é financiada por esta prova?
JM > O circuito tem um custo muito elevado que ronda os 20 mil euros. Apenas conseguimos organizá-lo com o apoio essencial da Câmara e porque a isso aliamos todo um vasto trabalho que é desempenhado de forma pro bono por um numeroso grupo de voluntários. Se tivéssemos que pagar o trabalho voluntário, o circuito não nos traria qualquer vantagem financeira. A receita média do circuito ronda os 6 a 7 mil euros, o que representa cerca de 10% do nosso orçamento anual.

RC > O que significa então um ano sem prova?
JM > É dramático, pois é um rombo no financiamento do clube, tanto mais que ocorre num ano sem actividade e consequentemente a captação de receitas se torna quase impossível, agravado pelo facto de também as empresas estarem com sérias dificuldades. Temem-se os efeitos da pandemia nas equipas profissionais de ciclismo (9 elites e 9 sub23), mas no resto da modalidade e também do associativismo que vive graças ao apoio das empresas do tecido local. Os grandes grupos económicos estão inacessíveis aos clubes de base local onde predomina a formação.

RC > O circuito serve também de recrutamento de jovens?
JM > Por dificuldades estruturais, o ciclismo não tem a notoriedade suficiente, por isso o recrutamento é uma dificuldade. Temos a nível nacional cerca de 30 clubes de formação com cerca de trezentos jovens dos 5 aos 14 anos, quando no futebol só uma associação distrital terá muito mais do que isso. Quanto a juniores temos já uma escassa centena e meia de atletas. A falta de formação faz com que alguns clubes de juniores passem a vida a “roubar” atletas uns aos outros, sem nada acrescentarem ao desenvolvimento da modalidade.

AD Footer

Artigos Relacionados

Hélder Roque assume direção clínica das clínicas do Grupo H Saúde

Hélder Roque é o novo diretor clínico da Clínica das Olhalvas- Leiria, da Policlínica Central da Benedita e...

Orquestra Típica e Coral de Alcobaça voltou aos palcos três anos depois

Depois de cerca de três anos com a atividade suspensa, a Orquestra Típica e Coral de Alcobaça voltou...

Degustação de vinhos e sabores locais apreciada por 1 milhar de pessoas no Vimeiro

A “I Degustação de vinhos e sabores da terra”, evento promovido pelo Círculo de Arte, Cultura e Desporto...

Ana Pagará reconduzida como diretora do Mosteiro de Alcobaça

Ana Pagará foi reconduzida no cargo de diretora do Mosteiro de Alcobaça, para uma comissão de serviço de...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!