Quarta-feira, Outubro 5, 2022
Quarta-feira, Outubro 5, 2022

A Matriz de Sara Louraço Vidal

Data:

Partilhar artigo:

A nazarena Sara Louraço Vidal vai apresentar no dia 27 de novembro o primeiro disco em nome próprio, a que chamou “Matriz”. Numa edição Sons Vadios, o álbum reúne músicas tradicionais de todo o País em 12 temas com uma sonoridade reinventada e modernizada. 

A nazarena Sara Louraço Vidal vai apresentar no dia 27 de novembro o primeiro disco em nome próprio, a que chamou “Matriz”. Numa edição Sons Vadios, o álbum reúne músicas tradicionais de todo o País em 12 temas com uma sonoridade reinventada e modernizada. 

“Matriz é focado na condição feminina, passando por diferentes fases da vida da mulher, desde o do berço à morte”, explica Sara Louraço Vidal, em declarações ao REGIÃO DE CISTER. Com arranjos contemporâneos e produção musical de Manuel Maio e Rui Ferreira, este albúm dá toque de modernidade a temas tradicionais, mostrando que “a música portuguesa é atual e que pode ser ouvida por todas as idades”. “O principal objetivo é valorizar e promover a música nacional”, acrescenta. O primeiro tema de “Matriz” já foi lançado nas plataformas digitais. 

“Adelaidinha” retrata a vida de uma jovem menina que quer namorar, contra a vontade da sua mãe. Originalmente com um ritmo mais lento, esta nova versão de Sara Louraço Vidal apresenta um arranjo de Manuel Maio, marcado pelo pulso da voz e pela percussão tradicional. Participam também Rui Ferreira (percussão), Sofia Portugal (percussão) e os coros de Ângela Oliveira, Joana Castro, Teresa Campos, Sofia Portugal e Manuel. “Em breve serão lançados nas plataformas digitais mais dois novos temas”, adianta.

Outro grande projeto deste ano da artista é o espetáculo musical infantil que estreou em março e que viu ser interrompido pela pandemia. “Assim devera eu ser” foi apresentado no espaço Fábrica das Artes, do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, e vai ser retomado no próximo mês. O espétaculo que pretende dar a conhecer ao público mais jovem a vida de Amália Rodrigues em criança, no ano em que se assinalam os 100 anos do seu nascimento, vai estar nos dias 2 e 3 no Convento São Francisco, em Coimbra, nos dias 8 e 9 no teatro Viriato, em Viseu, e entre os dias 8 e 11 de dezembro, no Cine-teatro Louletano, em Loulé. “Vamos ensaiar tudo de novo, já que se passaram alguns meses após a estreia ”, avança Sara Louraço Vidal.

“Assim devera eu ser” tem como intérpretes Sara Louraço Vidal (voz e harpa), Catarina Moura (voz), Celina da Piedade (voz e acordeão) e Ricardo Silva (guitarra portuguesa) e a encenação é de José Rui Martins, a partir da biografia “Amália”, de Vítor Pavão dos Santos.
Sara Louraço Vidal, que também integra Diabo a Sete, Espiral e Aire, foi vocalista do grupo galego de folk “Luar na Lubre”, entre 2005 e 2011, ano em que regressou a Portugal, e passou a colaborar com grupos portugueses da música folk e tradicional.
 texto carolina calado

 

AD Footer

Artigos Relacionados

Veio ter comigo hoje a poesia

Hoje a poesia veio ter comigo em forma de notícia e não poema. Um de nós, um dos...

Peões causam perigo no atravessamento da EN242 na Nazaré

O perigo para peões e automobilistas na Estrada Nacional 242, entre a rotunda do Pavilhão Municipal e a...

Livro enaltece maior produtora de garrafas do País há 80 anos

Mais do que um livro sobre uma fábrica de garrafas, a obra do historiador Tiago Inácio, apresentada no...

Rui Morais na administração do Teatro Nacional de São Carlos

Há um alcobacense na nova administração do Organismo de Produção Artística (Opart), que gere o Teatro Nacional de...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!