Terça-feira, Agosto 16, 2022
Terça-feira, Agosto 16, 2022

Futebol: André Perre a caminho da marca dos 350 jogos

Data:

Partilhar artigo:

Foi no campo de Santana que deu os primeiros toques na bola pelo “seu” Beneditense, mas tem deixado marcas, época após época, nos estádios de todo o País. André Perre joga pelo Caldas no Campeonato de Portugal, mas a carreira nos escalões nacionais já vai longa, com um total de 345 jogos e com a particularidade de nunca ter jogado como sénior nos distritais.

Foi no campo de Santana que deu os primeiros toques na bola pelo “seu” Beneditense, mas tem deixado marcas, época após época, nos estádios de todo o País. André Perre joga pelo Caldas no Campeonato de Portugal, mas a carreira nos escalões nacionais já vai longa, com um total de 345 jogos e com a particularidade de nunca ter jogado como sénior nos distritais.

“É um marco bonito e significativo… mas quero fazer mais”, atira André Perre, apontando a mira aos 350 jogos nas provas nacionais.

Além do elevado número de jogos, o médio, de 31 anos, ultrapassa há onze épocas consecutivas a barreira dos 2.000 minutos em campo. Caso cumpra mais 272 minutos segue para a 12.ª temporada em alta rotação, justificando a aposta vincada do técnico caldense José Vala. A médio, extremo ou… lateral.

Nesta época, o beneditense disputa a fase de subida à futura 3.ª Liga e nas últimas partidas tem jogado como lateral-direito face à lesão do nazareno Juvenal Oliveira. “Curiosamente, a minha formação começa como defesa central, jogando depois a médio, extremo, lateral-direito, lateral esquerdo… já passei por quase todas as posições”, justifica o jogador que assinou pelos pelicanos após um “namoro” já antigo e depois de já ter representado alguns dos principais clubes da região.

André Perre iniciou-se nas escolinhas do Beneditense em 1999/2000 e despediu-se do clube da terra em 2007, mudando-se para os juniores da UD Rio Maior, emblema pelo qual se viria a estrear no escalão sénior. Seguiram-se Peniche, Torreense, Fátima, U. Leiria, Famalicão, Merelinense, Torreense novamente, Marinhense e Caldas, com 43 golos em 344 encontros.

O ponto mais alto da carreira da carreira foi, no entanto, quando assinou pelo Famalicão, em 2016, e se estreou na 2.ª Liga. Naquela “experiência fantástica”, viveu um dos momentos para mais tarde recordar. A 10 de setembro de 2016, no Municipal 22 de Junho, o Famalicão empatava a duas bolas com o Freamunde em cima do fim do tempo regulamentar, quando o beneditense “tira um coelho da cartola” e num remate a 30 metros da baliza dá a vitória aos famalicenses.

“O estádio estava à pinha, que sensação foi levantar aquele estádio e aqueles adeptos fervorosos. Que festa!”, recorda. Naquela época somou 2 golos em 30 jogos, mas quis o destino que voltasse ao terceiro escalão, no qual continuar a destacar-se.

O beneditense aponta o “trabalho, foco e confiança” como segredos para o sucesso, no futebol, mas também no “campo” dos vinhos. É que André Perre frequenta o curso de Escanção – Enologia e Serviço de Vinhos na Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste, e, por isso, não será de admirar que a marca dos 350 jogos seja um excelente motivo para apreciar uma boa garrafinha de vinho. Se possível, entre família e amigos.

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Jovens participam em ações de sensibilização e limpeza de praias na Nazaré

Arranca, esta terça-feira, o projeto "A Praia é nossa. O responsável és tu!, da Câmara da Nazaré, integrado...

Alemão e grego dinamizam projeto com objetos de praia em Alcobaça

“Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se tranforma”. A célebre frase de Antoine Lavoisier pode...

Mirense Romano Saraiva soma conquistas no meio artístico

Aos 24 anos, Romano Saraiva divide a vida entre o ensino de Educação Visual e um projeto artístico...

UFAV cria bolsas de “Desporto para Todos” para apoiar situações de fragilidade social

A União das Freguesias de Alcobaça e Vestiaria (UFAV) tem em curso um projeto de apoio ao desporto...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!