Sábado, Janeiro 28, 2023
Sábado, Janeiro 28, 2023

Festival de Jazz do Valado em risco de perder apoio da DGArtes

Data:

Partilhar artigo:

O festival de Jazz do Valado está, para já, fora do Programa de Apoio Sustentado 2023-2026 na área da programação, segundo os resultados provisórios da Direção-Geral das Artes (DGArtes). A Biblioteca de Instrução e Recreio (BIR) já respondeu à audiência de interessados, mas há o risco de perder o apoio que recebia do Estado há mais de duas décadas por não ter tido uma pontuação suficiente para as verbas disponíveis.

Este conteúdo é apenas para assinantes

Por favor, assine ou entre na sua conta para desbloquear este conteúdo.

“Não ficámos contentes com esta decisão, já fizemos a nossa exposição em audiência de interessados e aguardamos uma resposta”, explica o diretor artístico do mais antigo festival de jazz do distrito. “O nosso projeto foi selecionado, mas ficámos excluídos da proposta para apoio, com menos 1,7 pontos [em 100] que a última entidade proposta para apoio por haver falta de alocação de verba”, adianta Adelino Mota. O maestro considera que o projeto da BIR foi prejudicado pela “nova regionalidade” do concurso, pela “falta de conhecimento desta área de música por parte do júri” e pela estrutura do projeto estar assente no “voluntariado”.

“No Centro, foram aprovados dois projetos em Aveiro, dois em Coimbra, um em Viseu, um na Guarda, um em Leiria [ABA – Banda de Alcobaça Associação de Artes] e um em Santarém, parece que as classificações foram encomendadas e que não são pelo mérito“, atira Adelino Mota. Além disso, o maestro considera uma “estupidez completa” a nota da DGArtes relativamente “às prestações de serviços e voluntariado” do projeto. “Um artista não pode estar dependente de uma entidade patronal, até porque independência não significa precariedade. O que a BIR faz é um contrato de prestação de serviços com uma empresa, que por sua vez tem funcionários com contrato de trabalho“, resume Adelino Mota, para quem houve uma “má interpretação do júri em relação ao projeto” da BIR. A entidade solicitou 240 mil euros para quatro anos, concorrendo ao patamar mais baixo de 60 mil euros por ano.

Aguardando pelos resultados definitivos, o diretor artístico do festival de Jazz do Valado vê a possibilidade de o Governo aumentar a alocação de verbas, mas caso esse cenário não se concretize, já está a trabalhar “num plano b ou c”. Uma coisa é certa: “o festival de jazz do Valado não vai morrer porque um ministro resolveu mudar as regras”. Admite que “será mais complicado”, mas conta com o apoio da Câmara e de algumas empresas.

Região de Cister - Assine Já!
AD Footer

Artigos Relacionados

Oonify abre espaço dedicado à formação na Nazaré

A Oonify abriu, recentemente, na Nazaré, um novo espaço de formação, a que chamou de "Oonify Space". O novo...

Sons Com(n)Sentidos ouvem-se agora nos cavaquinhos e percussão da Cercilei

Em cima do palco, os homens apresentam-se de suspensórios, as mulheres levam uma bandolete na cabeça. Todos vestem...

Acidente com trator agrícola provocou um ferido grave em Évora de Alcobaça

Um ferido grave foi o resultado de um acidente com um trator agrícola, ocorrido na tarde desta quarta-feira,...

Ricardo Esgaio e Stephen Eustáquio disputam conquista da Taça da Liga de futebol

Os futebolistas nazarenos Ricardo Esgaio, com as cores do Sporting, e Stephen Eustáquio, com o símbolo do FC...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!