“Super heróis” revitalizam armazém da estação da Refer em São Martinho do Porto

Um dos armazéns da Refer na estação de comboios de São Martinho do Porto está a ser transformado na sede da “Superheroes4kids”, associação que tem como missão levar “super heróis” a visitar crianças hospitalizadas em fase terminal. O sonho da associação é de Pedro Machado. Depois de ter concretizado a sua missão em vários lugares do mundo, o filho de emigrantes do concelho de Alcobaça na América decidiu criar uma sede para a associação e para isso está a remodelar o espaço.  

“O objetivo do Superheroes4kids é poder dar um pouco de alegria às crianças doentes terminais. Dificilmente consigo explicar a felicidade que enche o meu coração quando vejo o sorriso no rosto daquelas crianças, que enfrentam o maior desafio das suas vidas”, explicou o responsável pelo projeto ao REGIÃO DE CISTER. Com o apoio de uma angariação de fundos, Pedro Machado conseguiu comprar um figurino semelhante ao da personagem do Capitão América e já percorreu vários países para concretizar a sua missão. “Já visitei diversos países entre os quais Singapura, Malásia, Austrália, Turquia, Holanda, França e desde 2019 que realizo atividades em Portugal.  Já visitei crianças no Instituto Português de Oncologia (IPO), mas aqui esta não é uma prática muito comum e ainda estão a ser dados os primeiros passos”, nota. 

 Foi com a ambição de “dar uma casa” à associação, que Pedro Machado decidiu aceitar o desafio de requalificar o armazém na estação de comboios de São Martinho do Porto, abandonado há cerca de 30 anos. “Este é um espaço cheio de potencial e era uma pena ver o estado de degradação do edifício aumentar de dia para dia. Foi aí que decidimos concretizar um sonho e, em simultâneo, dar uma nova vida a este espaço tão central da vila”, afirma.   

Com o apoio de dois “grandes companheiros”, António Pedro e Michel Ledermann, Pedro Machado deu início à requalificação do espaço, mas vários outros voluntários já se juntaram à iniciativa. “Somos uma equipa cheia de vontade de erguer a associação, mas há muito trabalho pela frente. Entre limpeza, reconstrução do telhado, recuperação de algumas paredes, da canalização e do sistema elétrico ainda falta fazer muita coisa”, adianta o voluntário, sublinhando o apoio de algumas empresas da região na aquisição de material e na concretização de trabalhos. A maior parte do investimento financeiro é proveniente de fundos pessoais dos voluntários.

Além de vir a funcionar como sede para a associação, a ideia é que o espaço também funcione como um local de convívio para famílias e ponto de paragem em dias de Mercado de Velharias na vila. Acolher eventos e “apoiar a comunidade no que for possível” são outros objetivos para o espaço. “Vivi muitos anos longe de São Martinho do Porto e agora que regressei à minha terra fico feliz por conseguir contribuir para a comunidade. Este é um projeto que me deixa verdadeiramente feliz”, conclui o “Capitão América” nas horas vagas.