Escolas da região perderam 2 mil alunos em dez anos

As escolas dos concelhos de Alcobaça e Nazaré perderam quase 2 mil alunos na última década, período em que encerrou quase metade dos estabelecimentos de ensino públicos e diminuiu o número de professores, segundo a Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC).

Entre os anos letivos de 2006/2007 e 2015/2016, houve uma redução de 1.669 de alunos no concelho de Alcobaça e de 263 no concelho da Nazaré, revela a publicação Regiões em Números 2015/2016 da DGEEC. No pré-escolar e nas escolas do ensino básico há agora menos 1.638 crianças em Alcobaça e menos 340 no concelho vizinho.

Apenas no ensino secundário aumentou o número de estudantes no concelho da Nazaré, que passaram de 285 em 2005/2006 para 415.

E esta subida é justificada essencialmente pela crescente procura de alunos nos cursos profissionais: dos 415 alunos matriculados no ensino secundário 220 eram de cursos profissionais.

Já no concelho de Alcobaça, o número de estudantes no ensino secundário passou de 1.802 para 1.771, registando-se igualmente uma subida no número de alunos nos cursos profissionais (573 em 2015/16).

Segundo o estudo, é ainda possível apurar que em dez anos as escolas de Alcobaça perderam 173 professores, passando de 910 em 2006/07 para 737 dez anos depois. Em Alcobaça só os docentes de educação especial e formadores das escolas profissionais aumentaram ligeiramente.

Na Nazaré, subiu também o número de professores do pré-escolar e dos ensinos básico 3.º ciclo e secundário. No concelho vizinho, o número de docentes desceu de 192 para 161 em dez anos.

O Ministério da Educação acabou também por encerrar quase metade das escolas da região, muito por culpa dos novos centros escolares que foram construídos nos concelhos da chamada região de Cister na última década e que modificaram sobremaneira o cenário do ensino no território.

Em Alcobaça, no ano letivo de 2005/06 havia 94 escolas, 79 públicas e 15 privadas, enquanto em 2015/16 havia 55 estabelecimentos de ensino  de 10.071 para 5.781.

Mas nem tudo são más notícias. Houve redução das taxas de retenção e desistência em todos os níveis de ensino. Há dez anos, 20,6% dos alunos de Alcobaça chumbava ou desistia da escola no ensino secundário, agora são 16,6%. Já no ensino básico passou de 7,5% para 5,6%. No concelho da Nazaré, as taxas de retenção e desistência são ainda mais significativas, passando de 8,6 para 5,1% no ensino básico e de 26,3 para 16,2% no ensino secundário.

A taxa de escolarização também aumentou, assim como a presença de computadores nas salas de aula. Antes, na Nazaré um computador era partilhado por quase 13 alunos e agora é por quatro. Em Alcobaça, nove alunos partilhavam um computador e dez anos depois um computador é partilhado por três alunos. Os estudantes também passaram a ter mais computadores com acesso à internet, já que há dez anos um computador tinha de ser partilhado por 11,2 alunos em Alcobaça e por 15 na Nazaré e agora existe um computador com internet para cada quatro estudantes em Alcobaça e cinco na Nazaré.

No contexto do distrito, apenas Caldas da Rainha e Óbidos viram aumentar o número de alunos na última década, admitindo-se que alguma redução do número de alunos em Alcobaça se fique a dever à transferência para estabelecimentos de ensino nas Caldas.

O concelho do distrito que perdeu percentualmente mais alunos foi Castanheira de Pêra, com 37,6% de perda, logo seguido de Figueiró dos Vinhos, com 28,2%. Alcobaça fica-se pelos 17,4% de redução do número de alunos matriculados e a Nazaré pelos 11,7%.