Terça-feira, Julho 5, 2022
Terça-feira, Julho 5, 2022

Diferentes gerações no banco do Jardim-Escola

Data:

Partilhar artigo:

“Ainda há o dia do arroz de peixe?” Saiu, naturalmente, a pergunta a Joaquim Soares, sentado numa das cadeiras onde um dia aprendeu a ler e a escrever. O REGIÃO DE CISTER juntou lado a lado diferentes gerações para uma agradável, cativante e surpreendente conversa, no dia em que o Jardim-Escola João de Deus de Alcobaça comemorou, no passado sábado, um século de existência. Para “felicidade” do médico alcobacense, apesar de ainda fazer parte da ementa, já não é com a mesma regularidade de outros tempos.

“Ainda há o dia do arroz de peixe?” Saiu, naturalmente, a pergunta a Joaquim Soares, sentado numa das cadeiras onde um dia aprendeu a ler e a escrever. O REGIÃO DE CISTER juntou lado a lado diferentes gerações para uma agradável, cativante e surpreendente conversa, no dia em que o Jardim-Escola João de Deus de Alcobaça comemorou, no passado sábado, um século de existência. Para “felicidade” do médico alcobacense, apesar de ainda fazer parte da ementa, já não é com a mesma regularidade de outros tempos.
Olhando para a fotografia, da esquerda para a direita, temos Simão Vicente (9 anos, 4.º ano), Maria Fernanda Reis (82 anos), Maria Manuel (10 anos, 4.º ano), Ângela Pedrosa (83 anos), Henrique Magalhães (10 anos, 4.º ano) e Joaquim Soares (57 anos). Feita as apresentações, chegou o momento de saber como são, ou foram, passados os dias numa das escolas mais emblemáticas do concelho.
O menino Henrique, que um dia sonha ser futebolista profissional e que acha a “escola muito divertida”, pergunta a Joaquim Soares o que mudou na escola desde o seu tempo. “Está praticamente tudo igual, à exceção dos edifícios construídos nas traseiras”, afirma o médico, recordando também o som do “órgão infernal” onde praticamente todos os dias cantavam.
Com Ângela Pedrosa, que ainda é do tempo da escola em frente ao Mosteiro, ficámos a saber que a fachada do Jardim-Escola é a mesma de outrora, data de 1915: “foi trazida para este espaço pedra a pedra”. A antiga comerciante não tem dúvidas que foram os ensinamentos adquiridos no estabelecimento de ensino que a tornaram a mulher que é hoje. Lembra quando levava, acompanhada pela empregada, nas suas pequenas mãos uma moeda de cinco escudos. “Já não me recordo se o valor era para pagar uma semana ou o mês”, avança Ângela Pedrosa, orgulhosa pelas amizades que preservou desde os tempos do Jardim-Escola junto ao monumento até aos dias de hoje.
“Aqui na escola explicam muito bem e fazemos muitos amigos”, diz a menina Maria Manuel que quer ser médica.
Religiosamente, Maria Fernanda Reis, que frequentou o Jardim-Escola entre 1936 e 1940 ainda no Rossio, guarda os seus cadernos onde aprendeu a escrever. Simão Vicente, que ficou surpreendido com a estima dos documentos, deseja ser empregado de mesa para ajudar o pai no restaurante.
Diferentes gerações sentaram-se lado a lado, partilhando recordações de uma escola que enche de orgulho a região há 100 anos. 
O amor à escola e ao ensino levam Joaquim Soares e Ângela Pedrosa a integrar a Comissão de Antigos Alunos do Jardim-Escola João de Deus de Alcobaça, que mantém uma forte ligação com o estabelecimento de ensino e pelo qual vão passando diferentes gerações da sociedade alcobacense.
O dia do arroz de peixe já não há, mas a sopa de chocolate, como quem diz de feijão vermelho, ainda se mantém. Será que daqui a 100 anos ainda haverá?

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Colisão entre motociclo e veículo ligeiro provoca um morto na Nazaré

Um homem, de nacionalidade inglesa, morreu esta segunda-feira na Nazaré, na sequência de uma colisão entre um motociclo...

Uma “tasca” em alta rotação movida a gasolina e… caracol

Costuma dizer-se que quem anda à velocidade do caracol não chega propriamente rápido ao destino. Mas, por paradoxal...

Jovem detido por furto a residência em São Martinho do Porto

Um jovem de 25 anos foi detido, no dia 29 de junho, por furto em interior de residência...

Duas empresas de Alcobaça distinguidas como “Gazela 2021”

A construtora A.B. Inácio, LDA, sediada na Benedita, e a fabricante HC - Caixilharia LDA, localizada na Cela...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!