Sexta-feira, Setembro 30, 2022
Sexta-feira, Setembro 30, 2022

Adelino Mota: “Valado e jazz são quase sinónimos”

Data:

Partilhar artigo:

spot_img

Há 18 anos que o maestro Adelino Mota conduz o Festival de Jazz de Valado dos Frades, que tem o apoio da Direcção Geral das Artes. O evento, que teve início esta semana, continua a levar ao palco da BIR músicos que não têm a oportunidade de atuar em outros eventos por ainda não serem conhecidos no meio artístico.

Há 18 anos que o maestro Adelino Mota conduz o Festival de Jazz de Valado dos Frades, que tem o apoio da Direcção Geral das Artes. O evento, que teve início esta semana, continua a levar ao palco da BIR músicos que não têm a oportunidade de atuar em outros eventos por ainda não serem conhecidos no meio artístico.

REGIÃO DE CISTER (RC) > Há 18 anos que se escreve a história do Festival de Jazz de Valado dos Frades. Que significado tem este evento para a região? 

Adelino Mota (AM) > Qualquer iniciativa similar a um festival como o nosso é sempre uma mais-valia para uma terra e por consequência para toda uma região. A maturidade e notoriedade que se tem alcançado com este evento tornou-o a pouco e pouco o mais importante evento dedicado ao jazz da região centro do País. Basta salientar que é o único Festival de Jazz desta mesma região, que continua a ter apoio da Direcção Geral das Artes. Apoio esse conseguido para um quadriénio que só acabará em 2016, tendo sido o seu projeto artístico distinguido entre dezenas que foram rejeitados. Penso que é uma razão suficiente para que a nossa região se orgulhe de ter este Festival. Além disso, continuamos a ter como grande aliado a Câmara da Nazaré, que reconhecendo a qualidade e importância de um evento destes no concelho, empenha-se em colaborar e apoiar esta organização.

RC > E para os músicos que sobem ao palco da BIR, ao longo das quase últimas duas décadas? 

AM > Há vários anos que possuímos um chamado ‘Livro de honra’, no qual os músicos escrevem no fim de cada concerto. Ali encontram-se depoimentos que nos dão coragem e energia para continuar com esta organização. A maioria dos músicos descreve que vir ao Valado é muito mais do que vir fazer um concerto, é vir tocar “ao melhor e maior clube de jazz português” pelo ambiente que se tem criado ao longo destes anos. 

RC > O que podem esperar os fãs do Jazz de Valado desta 18.ª edição? 

AM > A programação deste ano tem como base tudo o que se defende e se tem alcançado com os objetivos artísticos. Este ano não haverá presença de músicos estrangeiros, o que não faz em nada diminuir a qualidade musical esperada, pois dentro dos participantes há grandes músicos nacionais com carreira e premiados internacionalmente. Sabemos o valor que têm os nossos músicos e este é o Festival que mais o reconhece. Muitos destes brilhantes artistas que estão nesta programação não têm a possibilidade de participar em outros festivais por serem preteridos em função de nomes mais famosos e com mais impacto mediático. Mas em Valado dos Frades o que mais nos preocupa é a criação artística e a valorização dos músicos portugueses. 

RC > Nos últimos anos, face às dificuldades e à falta de apoios, a programação e o número de dias do Festival foram reduzidos. É possível fazer mais com menos? 

AM > Excetuando o ano de 2012, todos os últimos anos temos tido o mesmo número de concertos. Pelo compromisso com a Direcção Geral das Artes, temos de fazer seis concertos profissionais e duas atividades de caráter pedagógico. Este ano, como não podia deixar de ser, mantém-se esse mesmo objetivo. Apenas essas atividades, que eram feitas geralmente ao domingo, à tarde, com concertos de entrada livre, são este anos concretizadas com o projeto de levar antes esses concertos aos estabelecimentos de ensino, assumindo a responsabilidade de continuar a envolver a população com o Festival, começando aqui pelos mais jovens que farão parte do nosso público daqui a alguns anos.

RC > Que sonho mantém para o Festival de Jazz de Valado? 

AM > Assegurar a sua continuidade e ano após ano “colocar o nome do Valado no mapa”. Muitas pessoas comentam comigo que em conversa com pessoas de outras regiões, ao dizerem que são de Valado dos Frades, é muito comum aparecer logo na conversa uma referência ao Festival, ou seja, Valado e jazz já são quase “sinónimos” e esse é o grande feito alcançado. Para o próximo ano, ainda temos apoio garantido ao abrigo do programa quadrienal da Direcção Geral das Artes, depois teremos de fazer nova candidatura e esperar que a política de apoio às artes melhore ou no mínimo se mantenha. O sonho dos 14 voluntários que fazem parte da organização deste evento é muito simples: que o Festival se mantenha por muitos mais anos!

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Nove bombeiros da região participaram na prova “Escadórios da Humanidade”

Nove bombeiros das corporações da região participaram na prova “Escadórios da Humanidade”, realizada  este dia 24, no Bom...

Alunos da Nazaré participam em ação internacional de limpeza costeira

Alunos do 1.º ciclo participaram nas ações de limpeza costeira que decorreram na Praia do Norte e na...

Futebol: Leandro Santos chega aos 200 jogos na Honra

O jogo entre Ginásio e Mirense, agendado para o próximo domingo (15 horas), no Municipal de Alcobaça, vai...

Triatlo: Raquel Rocha arrecada bronze no Europeu de Bilbau

Raquel Rocha (Clube de Natação e Triatlo de Lisboa) esteve em plano de evidência ao conquistar a medalha...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!