Terça-feira, Agosto 16, 2022
Terça-feira, Agosto 16, 2022

O ‘canto’ de Carminho em Alcobaça

Data:

Partilhar artigo:

O sorriso, as pequenas histórias que contou para explicar os temas que cantava e as vénias feitas em forma de agradecimento en(cantaram) a plateia do Cine-teatro, no passado sábado. Maria do Carmo Andrade, mais conhecida por Carminho, trouxe o seu “Canto” a Alcobaça, acompanhada por Luís Guerreiro, na guitarra portuguesa, Diogo Clemente, na viola, e Marino de Freitas, na viola baixo.

O sorriso, as pequenas histórias que contou para explicar os temas que cantava e as vénias feitas em forma de agradecimento en(cantaram) a plateia do Cine-teatro, no passado sábado. Maria do Carmo Andrade, mais conhecida por Carminho, trouxe o seu “Canto” a Alcobaça, acompanhada por Luís Guerreiro, na guitarra portuguesa, Diogo Clemente, na viola, e Marino de Freitas, na viola baixo.

Depois de “Fado” e de “Alma”, a fadista continuou a excursão por terras de Vera Cruz, interpretando um tema que a escolheu com Marisa Monte, “Chuva no Mar”, e canta outros triunfos da poesia brasileira, como “Sol, eu e tu”, de Caetano, Tom Veloso e César Mendes. Por duas vezes distinguida com o Prémio Amália-Revelação e Melhor Intérprete, a fadista, atingiu o topo dos tops em Espanha, em 2011, ao lado do cantor Pablo Alborán, com o “Perdóname”.

Em entrevista ao REGIÃO DE CISTER, Carminho explicou que “O Canto” tem uma “base portuguesa, com folclore, percussões , cavaquinho e acordeão”, acrescentando que “teve uma liberdade muito grande de interpretar canções com outros artistas”.

Questionada sobre a nova geração de fadistas portugueses, Carminho considera que não existe um novo fado: “O fado continua, progride. A Amália levou o fado ao mundo, mas todos os artistas que cantam acabam por crescer e trazer influencias, que fazem trilhar o caminho e o rumo do fado“.

Para a fadista, “Alcobaça é um lugar imperdível, mágico e cheio de história. Não só do nosso Portugal, mas também histórias de amor. Tem muita tradição, são pessoas muito afetuosas. Quem não conhece Alcobaça não sabe o que perde e quem passa por Alcobaça passa e torna a passar“. 
 

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Capotamento de veículo provoca um ferido em Alfeizerão

O capotamento de um veículo ligeiro de passageiros, ocorrido na manhã desta terça-feira, na curva junto à Pousada...

Tradição de Santa Susana recriou jogo de hóquei com… burros

A tradição ainda é o que era, pelo menos em Turquel. As comemorações em honra de Santa Susana,...

Jovens participam em ações de sensibilização e limpeza de praias na Nazaré

Arranca, esta terça-feira, o projeto "A Praia é nossa. O responsável és tu!, da Câmara da Nazaré, integrado...

Alemão e grego dinamizam projeto com objetos de praia em Alcobaça

“Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se tranforma”. A célebre frase de Antoine Lavoisier pode...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!