Quarta-feira, Julho 6, 2022
Quarta-feira, Julho 6, 2022

Petição exige abertura ao público do pavilhão de Évora de Alcobaça

Data:

Partilhar artigo:

O pavilhão multiusos de Évora de Alcobaça está pronto há quase quatro anos, mas continua de portas fechadas.

O pavilhão multiusos de Évora de Alcobaça está pronto há quase quatro anos, mas continua de portas fechadas.

A população não esconde a revolta com o impasse, originado pelo facto de a obra, que tinha um custo inicial de 2,2 milhões de euros, ter sido efetuada pelo município de Alcobaça através de uma parceria público-privada (PPP) que, segundo o Tribunal de Contas, quebrou a Lei das Finanças Locais, tendo o respetivo visto sido recusado. A Câmara garante estar a tentar resolver a situação, prometendo a abertura do equipamento para breve e até já corre uma petição online com esse objetivo.

A decisão de avançar com a construção de seis centros escolares e um pavilhão multiusos foi uma das grandes decisões estratégicas do último executivo de Gonçalves Sapinho (PSD), no mandato 2005-2009. Em 2008, o município definiu o caminho para ultrapassar a impossibilidade de contrair empréstimos para fazer as obras, optando por formar uma empresa municipal. 

O processo de constituição da Terra de Paixão andou rápido. A 7 de janeiro de 2008 a Câmara pronunciou-se favoravelmente, dez dias a Assembleia Municipal fez o mesmo e no dia 25 desse mês já tinha sido outorgada a escritura pública de constituição da entidade. A 1 de abril publicou-se em Diário da República o anúncio de procedimento para a constituição da PPP, com um prazo mínimo de 25 anos, com vista à constituição de uma nova entidade, a Cister Equipamentos, que asseguraria a construção de seis centros escolares nas freguesias de Alcobaça, Alfeizerão, Benedita, Cela, Pataias e Turquel e um pavilhão multiusos na freguesia de Évora de Alcobaça, através de um consórcio. O investimento previsto era, então, de 25 milhões de euros.

Como se sabe, apenas os centros escolares de Alcobaça e Benedita e o pavilhão de Évora foram edificados, sendo que a infraestrutura desportiva, por estar pronta e ainda fechada, é aquela que tem suscitado mais polémica.

Em 11 de setembro de 2009 foi assinado o contrato-promessa entre o município e a Cister Equipamentos para arrendamento e cessão de exploração, entre outros equipamentos, do pavilhão de Évora. A autarquia remeteu ao Tribunal de Contas (TC), para efeitos de fiscalização prévia, cinco minutas contratuais a celebrar com a Cister Equipamentos SA, pelo prazo de 23 anos e 3 meses, no valor global de 63 milhões de euros, mas o visto foi recusado.

Foi o processo de constituição da PPP que fez arrastar o processo. O TC apontou a inexistência de estudos comparativos de avaliação económica e financeira, entre a solução adotada de constituição de uma parceria público-privada institucional e outras soluções, a inexistência de partilha de riscos entre parceiro público e parceiros privados na PPP constituída, a falta de publicitação do anúncio do procedimento no Jornal Oficial da União Europeia para a constituição da PPP e a violação do princípio da equidade intergeracional.

Segundo o acórdão de 1 de julho de 2013, o Tribunal de Contas considera, entre outros aspetos, que o “procedimento de seleção de parceiro privado” não foi “antecedido de uma avaliação dos custos e dos benefícios dessa solução face a outras alternativas que a lei permite no âmbito da contratação pública”. O município interpôs recurso da decisão, mas em fevereiro deste ano o TC manteve improcedente o recurso da autarquia, bem como a recusa dos vistos.

No essencial, o TC considerou que o município violou a Lei das Finanças Locais, pois utilizou uma empresa municipal para avançar com as obras e tornear a impossibilidade de contrair novos empréstimos dado o nível de endividamento que apresentava.

O presidente da Junta de Évora anseia pela abertura da infraestrutura, que só recentemente passou a contar com a obra da zona envolvente completada, e diz-se “em sintonia com o presidente da Câmara”. “O que ambos queremos é que o pavilhão abra o mais depressa possível. Entendo que a população esteja revoltada, pois a obra está concluída há algum tempo”, reconhece Joaquim Pego (PSD), recordando que o investimento era “ansiado pela população há mais de 20 anos”.

Hermínio Rodrigues, “sobrevivente” do executivo de maioria absoluta do PSD no mandato 2005-2009 – o outro é Carlos Bonifácio, vice-presidente de Gonçalves Sapinho, que foi eleito vereador do CDS-PP nas últimas autárquicas –, é o presidente do Conselho de Administração da Cister Equipamento. O autarca foi parco em palavras quando lhe foram solicitadas explicações. “Já fizemos várias reuniões para tentar resolver o problema e estamos a concentrar todos os nossos esforços nesse sentido. Esperamos ter o pavilhão a funcionar em breve”, diz o vereador, que está há 18 anos em funções na Câmara.

 

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Futebol: Ginásio fica pelas meias-finais no Inatel

O Ginásio caiu nas meias-finais do taça nacional da Fundação Inatel. Os azuis soçobraram na deslocação ao reduto...

Colisão entre motociclo e veículo ligeiro provoca um morto na Nazaré

Um homem, de nacionalidade inglesa, morreu esta segunda-feira na Nazaré, na sequência de uma colisão entre um motociclo...

Uma “tasca” em alta rotação movida a gasolina e… caracol

Costuma dizer-se que quem anda à velocidade do caracol não chega propriamente rápido ao destino. Mas, por paradoxal...

Jovem detido por furto a residência em São Martinho do Porto

Um jovem de 25 anos foi detido, no dia 29 de junho, por furto em interior de residência...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!