Terça-feira, Novembro 29, 2022
Terça-feira, Novembro 29, 2022

Pronúncias e grafias de Cister

Data:

Partilhar artigo:

Que o território de Alcobaça e Nazaré pertenceu durante séculos à Ordem de Cister ninguém tem dúvidas. Mas será que todos os habitantes da região sabem pronunciar Cister corretamente? Há quem diga “Císter”, mas na verdade deve dizer-se “Cistér”. Foi para tirar estas e outras dúvidas que o… REGIÃO DE CISTER foi falar com quem sabe.

Que o território de Alcobaça e Nazaré pertenceu durante séculos à Ordem de Cister ninguém tem dúvidas. Mas será que todos os habitantes da região sabem pronunciar Cister corretamente? Há quem diga “Císter”, mas na verdade deve dizer-se “Cistér”. Foi para tirar estas e outras dúvidas que o… REGIÃO DE CISTER foi falar com quem sabe.

“A sílaba tónica de Cister é a última e, por essa razão, o ‘e’ é aberto na sílaba final”, explica Ilda Velez, professora de Português, especialista em Linguística. Para a sílaba tónica do nome ser a penúltima teria de ser escrita com um acento agudo, ou seja, “Císter”. Não havendo acento gráfico, a palavra, que termina em “er”, é interpretada como aguda, à semelhança dos substantivos colher ou mulher. “As palavras portuguesas terminadas em ‘er’ para serem graves têm de ser acentuadas”, esclarece a professora, que leciona na Escola Secundária D. Inês de Castro (Esdica), em Alcobaça.

Região de Cister - Assine já!

E o leitor costuma dizer “Aljubarróta”? Se o fizer, está errado. “O ‘o’ é fechado e por isso diz-se ‘Aljubarrôta’, como se tivesse acento circunflexo”, clarifica Ilda Velez. Mas, neste caso, não há uma explicação linguística para distinguir os sons. “Cor (cor dos olhos) e cor (saber de cor) tem pronúncias diferentes e nenhuma delas tem acento. Muitas vezes é a prática que dita a pronúncia”, adianta.

E o rio é Alcoa ou Alcôa? Resposta certa: Alcoa, sem acento. O Ciberdúvidas, sítio na Internet criado para responder a dúvidas e discutir temas relacionados com a língua portuguesa, explicou ao REGIÃO DE CISTER que “o nome em questão já se escrevia sem acento circunflexo, antes da aplicação do Acordo Ortográfico (AO) de 1990. O nome Coa é que se alterou, porque se grafava ‘Côa’ antes do AO 90”. Assim sendo, o nome que está impresso na placa toponímica da ponte, junto à Biblioteca Municipal de Alcobaça, está correta. Mas a professora alerta que as placas não são, “nem devem ser”, referência para questões linguísticas. Tanto que, se assim fosse, e segundo a placa localizada na VCI da cidade antes da rotunda da Esdica, os carros que optassem por sair na terceira saída seguiriam para Caldas da Raínha e não da Rainha.

E sabia que quem vem de Alcobaça entra em Chiqueda e sai em Chaqueda? As placas assim o dizem, mas a lenda conta que D. Afonso Henriques atirou uma lança do topo da Serra dos Candeeiros para determinar o local da construção do Mosteiro de Alcobaça, e imagine-se… caiu em Chiqueda. Daí que a localidade tenha passado a apelidar-se de Quiqueda (Aqui+Queda), evoluindo para Chiqueda. Ainda assim, “é com ‘a’ que o topónimo está atestado no século XV” (Vocabulário da Língua Portuguesa de Rebelo Gonçalves), e, por essa razão, o Ciberdúvidas atesta que a grafia correta é Chaqueda.

Mais dúbio é o topónimo Coz e Cós. “É com ‘z’ que se atesta na Idade Média. O uso de ‘s’ ou de ‘z’ depende muitas vezes da língua medieval”, esclarece o Ciberdúvidas. Contudo, Ilda Velez considera que o mais correto é Cós: “Coz não faz qualquer sentido. Por esse raciocínio escreveríamos Eça de Queiroz e não Queirós“. No período fonético, que prevaleceu até ao século XVI, aparecem designações na documentação alcobacense latino-medieval como “Coz”. Mais tarde, no período pseudoetimológico, que se estende desde ao século XVI até 1911, o topónimo escrevia-se “Coz” e “Cós”. Mas, com a primeira reforma da ortografia em Portugal, a professora assegura que o grafismo oficial passou a ser Cós, que até hoje se deveria ter mantido.

A União das Freguesias de Coz, Alpedriz e Montes não o entendeu assim e assumiu “Coz” como a grafia correta. E, por isso, o REGIÃO DE CISTER também optou pelo “z” em vez do “s”.

Já agora… por que é se vai à Nazaré e a São Martinho do Porto, quando se mencionam localidades? Nazaré é feminino e São Martinho do Porto é masculino. Mas também vamos a Faro e vamos ao Porto. E ambos são nomes masculinos. Confuso? Há razão para isso. Mas, não há dúvidas que o jornal que tem nas mãos ou lê no ecrã do computador, telemóvel ou tablet, chama-se REGIÃO DE CISTER, com sílaba tónica no ‘er’. E quem disser o contrário não é de Alcobaça!

AD Footer

Artigos Relacionados

Hélder Roque assume direção clínica das clínicas do Grupo H Saúde

Hélder Roque é o novo diretor clínico da Clínica das Olhalvas- Leiria, da Policlínica Central da Benedita e...

Orquestra Típica e Coral de Alcobaça voltou aos palcos três anos depois

Depois de cerca de três anos com a atividade suspensa, a Orquestra Típica e Coral de Alcobaça voltou...

Degustação de vinhos e sabores locais apreciada por 1 milhar de pessoas no Vimeiro

A “I Degustação de vinhos e sabores da terra”, evento promovido pelo Círculo de Arte, Cultura e Desporto...

Ana Pagará reconduzida como diretora do Mosteiro de Alcobaça

Ana Pagará foi reconduzida no cargo de diretora do Mosteiro de Alcobaça, para uma comissão de serviço de...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!