Segunda-feira, Julho 4, 2022
Segunda-feira, Julho 4, 2022

Próximo ano letivo traz novidades para alunos

Data:

Partilhar artigo:

As mudanças para o próximo ano letivo começam logo pela data do arranque das aulas. Uma semana mais cedo, de 9 a 15 de setembro, para sermos mais precisos. As datas do novo calendário escolar foram publicadas em Diário da República na passada sexta-feira.

As mudanças para o próximo ano letivo começam logo pela data do arranque das aulas. Uma semana mais cedo, de 9 a 15 de setembro, para sermos mais precisos. As datas do novo calendário escolar foram publicadas em Diário da República na passada sexta-feira.

Também o final do ano letivo não escapou às alterações realizadas pelo Ministério da Educação, neste caso para os alunos do 1.º ciclo do ensino básico. Prevê-se que as crianças terminem as aulas no dia 23 de junho, o que se traduz em mais duas semanas de escola em relação ao ano letivo, que terminou no passado dia 9 de junho.

Por outro lado, diretores escolares defendem que o ano letivo no ensino básico e secundário devia ser dividido em apenas dois semestres, tal como acontece no ensino superior. Esta é uma das propostas que não será para já implementada, mas que foi colocada em cima da mesa, numa reunião no passado mês de março, entre o ministro da Educação e diretores das escolas.

Quanto a este ponto, o vice-presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos de Escolas Públicas, Filinto Lima, admite que a proposta foi apresentada “um pouco tarde” para conseguir mudanças imediatas, já que “estas medidas exigem discussão e debate, se bem que junto dos diretores e professores acolhem todo o interesse”. 

No próximo ano letivo, o primeiro período terá 67 dias de aulas, o segundo 54 dias e o último período será de 29 dias, para os alunos do 9.º, 11.º e 12.º, facto que mostra pouca consistência quanto à distribuição dos dias pelos tradicionais três períodos naqueles anos escolares.

Filinto Lima justificou a proposta “com o caso de um aluno que tem negativa nos dois primeiros períodos, que depois fica desmotivado e perde a esperança de recuperar, num período de apenas 29 dias”, acrescentando ainda que “é preciso vontade política para fazer a mudança”.

Por último, é certo que a escolaridade obrigatória vai passar, em 2018, a ser competência das autarquias. O anúncio foi feito por Manuel Machado, presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses, que adianta que a delegação de competências será acompanhada com um fundo de financiamento. 
Depois do anúncio do fim dos exames nacionais nos 4.º e 6.º anos e o corte nos contratos de associação são apenas alguns exemplos do que já fez correr muita tinta.

 

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Duas empresas de Alcobaça distinguidas como “Gazela 2021”

A construtora A.B. Inácio, LDA, sediada na Benedita, e a fabricante HC - Caixilharia LDA, localizada na Cela...

Aluno da Escola D. Pedro I conquistou 1.º prémio nas Olimpíadas da Cultura Clássica

António Maria Jorge, aluno da Escola Básica 2,3 D. Pedro I de Alcobaça, ganhou o 1.º prémio nas...

Futsal: Uma década de “ouro” coroada com o 25.º título

O Sporting revalidou o título nacional, no passado sábado, depois de vencer o Benfica (4-3) no terceiro jogo...

Vai uma “jogatana” de padel?

Pode parecer estranho, mas esta história sobre o padel começa a ser contada por um treinador de... futsal....

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!