Domingo, Agosto 14, 2022
Domingo, Agosto 14, 2022

Graciano Dias em entrevista ao Região de Cister

Data:

Partilhar artigo:

 O Nazarenos apresentou o novo treinador. Graciano Dias pega numa equipa com 1 ponto após 14 jornadas, mas recusa atirar a toalha ao chão e pede aos adeptos para acreditarem.

Na ressaca da goleada sofrida em Ansião (14-0), o pior resultado da história do clube e o resultado mais desnivelado de sempre na Divisão de Honra distrital, o Nazarenos apresentou o novo treinador. Graciano Dias pega numa equipa com 1 ponto após 14 jornadas, mas recusa atirar a toalha ao chão e pede aos adeptos para acreditarem.

REGIÃO DE CISTER (RC) > O que o levou a aceitar este convite de uma equipa que está a fazer a pior carreira de sempre na Divisão de Honra da AF Leiria?
GRACIANO DIAS (GD) > Decidi aceitar, sobretudo, pelo sentimento de que tinha de ajudar este clube. Creio que, com a minha experiência, posso ajudar o Nazarenos dada a situação em que se encontra. E, por isso, não podia negar essa ajuda. É a terra que me acolheu, onde vivo há muitos anos, e não podia dizer que não a este clube histórico.

RC > O que pensa que pode acrescentar a uma equipa que só conquistou 1 ponto até ao momento?
GD > Creio que poderei acrescentar a experiência, aquilo que são as minhas ideias de jogo, aquilo que tem sido muito do trabalho que desenvolvi na formação ao longo dos anos em clubes como o Caldas, nos campeonatos nacionais. Neste momento, o plantel do Nazarenos tem muitos jogadores abaixo dos 23 anos, portanto ainda podemos dizer que estão numa fase de completar a sua formação, e creio que com o meu conhecimento e experiência no futebol ao longo de muitos anos, como praticante e depois como treinador, posso acrescentar algo mais a esta equipa.

RC > Como se pode inverter este ciclo de resultados negativos? É uma equipa que acaba de perder por 14-0…
GD > Numa fase inicial irei fazer observações, porque o plantel é muito curto, para depois tentar que se encontrem alguns jogadores que tragam mais-valias para o grupo de trabalho. Precisamos de jogadores com qualidade que nos venham ajudar a encetar a recuperação na tabela. Além disso, devemos olhar para a equipa de juniores, que tem jogadores de grande qualidade e que podem ajudar os seniores a inverter esta situação negativa. Portanto, é deste conjunto de intenções, e pensando no campeonato jogo a jogo e com muita disciplina, que vamos tentar pontuar e tirar a equipa desta situação. É essencial trabalhar com rigor e disciplina, pois no futebol só dessa forma se podem obter resultados. E esta equipa precisa rapidamente de resultados positivos, para dar a volta à situação.

“Toda a gente pensa que já descemos, mas eu acredito”

RC > O Nazarenos está já a 11 pontos da primeira equipa acima da zona de descida e a primeira volta do campeonato termina já no domingo, com a receção ao Atouguiense, que também está abaixo da “linha de água”. Acredita que ainda é possível evitar a descida à 1.ª Divisão distrital?
GD > É verdade que estamos a 11 pontos da primeira equipa acima da “linha de água”, mas ainda há 48 pontos em disputa no campeonato e tudo é possível. Precisamos olhar para o campeonato de uma forma mais rigorosa e procurar arranjar dinâmicas para que os jogadores consigam evoluir do ponto de vista individual e coletivo. Sabemos que a situação é muito complicada, mas é possível, se trabalharmos todos em conjunto e com os mesmos propósitos, efetuar a recuperação que este clube necessita e evitar a despromoção.

RC > O que pode garantir aos adeptos deste clube histórico?
GD > Apenas posso prometer muito trabalho. No futebol não há missões impossíveis, mas é certo que estamos perante uma situação muito difícil. Aceitei o convite que me foi endereçado porque acredito que sou capaz de acrescentar algo à equipa e porque na minha vida sempre gostei de aceitar desafios. Aliás, costumo dizer que quanto maiores são os desafios mais prazer retiro deles. A estrutura do clube não me pediu nada, apenas me pediu para ajudar a tentar tirar a equipa desta situação. É para isso que já estamos a trabalhar.

RC > Como se pode explicar o resultado de Ansião?
GD > Quando as equipas não têm liderança existe desmotivação, descrença. Aquilo que aconteceu em Ansião foi um verdadeiro descalabro, que obviamente não irá repetir-se. Toda a gente pensa que já descemos, a situação é complicada, mas eu acredito na manutenção. No futebol, os milagres não acontecem, mas com muito trabalho, dedicação e esforço podemos melhorar muito e evitar a descida.

RC > A equipa precisa de reforços…
GD > Mas só virão jogadores se forem verdadeiros reforços. Aqueles que quiserem ajudar o clube irão comigo até ao fim, com um compromisso: um enorme respeito pelo clube e pelo futebol.

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Instituições do concelho de Porto de Mós acolhem grupo de voluntários espanhóis

As instituições do concelho de Porto de Mós receberam, em julho, um grupo de 16 voluntários espanhóis. Vindos...

Edição da revista “Saúda” dedica seis páginas ao Município de Alcobaça

A mais recente edição da revista Saúda, das farmácias portuguesas, dedica seis páginas ao concelho de Alcobaça, com...

Quartel dos Bombeiros de Alcobaça equipado com telhado novo

Prosseguem a bom ritmo as obras de melhoramento do quartel dos Bombeiros de Alcobaça que recebeu, nas últimas...

Futsal: Ribaria volta a disputar a Divisão de Honra

A Ribafria está de regresso à Divisão de Honra distrital na próxima temporada. Os tefes foram convidados a...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!