Quarta-feira, Fevereiro 1, 2023
Quarta-feira, Fevereiro 1, 2023

Acionistas travam insolvência da Cister Equipamentos SA

Data:

Partilhar artigo:

Os acionistas da Cister Equipamentos Educativos SA chumbaram a proposta da Câmara de Alcobaça para avançar com a insolvência da empresa municipal, criada para construir os centros escolares de Alcobaça e da Benedita e o pavilhão de Évora de Alcobaça. 

Os acionistas da Cister Equipamentos Educativos SA chumbaram a proposta da Câmara de Alcobaça para avançar com a insolvência da empresa municipal, criada para construir os centros escolares de Alcobaça e da Benedita e o pavilhão de Évora de Alcobaça. 

A reunião dos órgãos sociais da empresa teve lugar um dia depois de o executivo municipal ter reunido para aprovar a posição que a Câmara de Alcobaça apresentaria na reunião com os acionistas.

Região de Cister - Assine já!

A informação foi confirmada ao REGIÃO DE CISTER por Hermínio Rodrigues, presidente do Conselho de Administração da Cister Equipamentos SA, que adiantou, ainda, que a Câmara “não vai desistir da intenção” de avançar para a insolvência. 

Segundo o vice-presidente da Câmara, os acionistas chumbaram a proposta de insolvência por considerarem que a autarquia pode dar solvabilidade à empresa. 

No entanto, o Tribunal de Contas impediu que fosse a Câmara a pagar a “renda” à Cister Equipamentos, o que, por seu turno, asfixia economicamente a empresa. Foi a impossibilidade de obter receitas da Câmara que originou, de resto, a penhora do direito de superfície do Centro Escolar de Alcobaça.

O presidente do Conselho de Administração da empresa revela que está marcada uma reunião com a Caixa Geral de Depósitos, a maior credora da Cister Equipamentos SA, a acontecer até ao final do mês, na qual o autarca vai advogar que a insolvência é “o melhor caminho” para encerrar a parceria público-privada. 

“A partir do momento em que a Câmara entende que se deve avançar com a insolvência, esse deve ser o caminho a seguir, mas a posição da Caixa Geral de Depósitos é fundamental”, pelo que o vereador Hermínio Rodrigues prefere aguardar pela reunião com o banco para fazer mais comentários em relação ao processo.

Recorde-se que, em 2007, a Câmara de Alcobaça, então chefiada por Gonçalves Sapinho, avançou para a criação de uma empresa municipal que, depois, estabeleceu uma parceria público-privada com vista à construção dos centros escolares de Alcobaça e Benedita e do pavilhão de Évora de Alcobaça. Contudo, já no primeiro mandato de Paulo Inácio, o Tribunal de Contas chumbou a parceria, impossibilitando a autarquia de pagar uma “renda” à Cister Equipamentos SA.

A inexistência de fundos próprios da empresa municipal impediu que a empresa pagasse o IVA relativo ao contrato celebrado com a Câmara, levando, no final do ano passado, a que a Autoridade Tributária penhorasse o direito de superfície do Centro Escolar de Alcobaça. 

AD Footer

Artigos Relacionados

Andar com o escritório numa mão

Fábio Filipe tinha duas opções: passar das funções de club manager para área manager de um clube de...

‘Dragão’ Stephen Eustáquio marca e conquista Taça da Liga de futebol

Stephen Eustáquio teve papel bastante importante ao apontar o primeiro golo na vitória que deu ao FC Porto...

Oonify abre espaço dedicado à formação na Nazaré

A Oonify abriu, recentemente, na Nazaré, um novo espaço de formação, a que chamou de "Oonify Space". O novo...

Sons Com(n)Sentidos ouvem-se agora nos cavaquinhos e percussão da Cercilei

Em cima do palco, os homens apresentam-se de suspensórios, as mulheres levam uma bandolete na cabeça. Todos vestem...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!