Quarta-feira, Junho 29, 2022
Quarta-feira, Junho 29, 2022

Rede Cultura 2027 debate papel do folclore na candidatura

Data:

Partilhar artigo:

“Etnografia e o Folclore: o antropológico, o património imaterial, o craft e as filarmónicas onde ficam?” foi o tema do prelúdio de ideias que reuniu, este sábado, oradores de diferentes áreas culturais e que chegou ao consenso de que o folclore é um trunfo a usar na candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura 2027.

“Etnografia e o Folclore: o antropológico, o património imaterial, o craft e as filarmónicas onde ficam?” foi o tema do prelúdio de ideias que reuniu, este sábado, oradores de diferentes áreas culturais e que chegou ao consenso de que o folclore é um trunfo a usar na candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura 2027.

“Se tinha alguma dúvida face à patrimonização do folclore, afirmo que foram todas dissipadas com a intervenção destes oradores”, afirmou Clara Cabral, técnica superior para a Cultura na Comissão Nacional da UNESCO. De acordo com o painel de oradores, constituído por Regina Piedade, vereadora da CCC, Salwa El-Shawan Castelo-Branco ,presidente do Instituto de Etnomusicologia, Adélio Amaro, em representação da Associação Folclórica da Região de Leiria – Alta Estremadura e Celeste Afonso, membro conselho estratégico da Rede Cultura 2027, o folclore acrescentará grande valor à candidatura porque possui uma capacidade de mobilização, envolvendo várias gerações e demonstrando de forma efusiva um dos costumes mais antigos do País.

“O folclore tem de ser incluído. O som e a música fazem com que o espetáculo seja diferente e que toque as pessoas de forma distinta. Os trajes identificam as regiões do nosso País e levam deste modo um pouco de Portugal pelo mundo fora”, sublinhou Celeste Afonso.

Através da vereadora Regina Piedade, o município da Nazaré afirmou o seu apoio a Leiria na candidatura a Capital Europeia da Cultura e, questionada pela jornalista Ana Costa sobre a mais valia que o concelho pode trazer ao estar associada a esta candidatura, a autarca asseverou que “existe um vasto leque de fatores etnográficos que tornam o concelho único”. “A Nazaré de tudo tem para oferecer, desde património natural a património religioso. A verdade é que a identidade deste concelho ainda está no mar, mas as sete saias, o carnaval, a festa das chouriças no Valado, as romarias e o santuário são alguns dos exemplos de como o património da Nazaré é diversificado e que está presente em todos os dias da nossa vida”, acrescentou Regina Piedade.

O encontro incluiu ainda a apresentação da aplicação móvel, que ainda irá enfrentar uma fase de testes de forma a estar apta para o lançamento oficial no próximo mês de outubro.

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

A leste, algo de novo: o despertar dos impérios

Gostaria de estar mais otimista. Porém, os últimos desenvolvimentos à volta da  Guerra na Ucrânia não me permitem...

Hóquei em patins: Biblioteca conquista torneio de encerramento em Tomar

A equipa de sub-15 da Biblioteca conquistou o torneio de encerramento depois de vencer o Sp. Marinhense (10-4),...

Casal de americanos escolheu Alcobaça para ajudar emigrantes

”Portugal the Place” é o nome da empresa de consultoria gerida por um casal de americanos em... Alcobaça. Colleen...

Concurso Mundial de Bruxelas distingue quatro vinhos de Alcobaça

Os vinhos Montecapucho Arinto 2017, da Quinta dos Capuchos, e Mula Velha Rose 2021, da Parras Wines, foram...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!