Quarta-feira, Julho 6, 2022
Quarta-feira, Julho 6, 2022

António Delgado luta contra alegadas ilegalidades no IPL

Data:

Partilhar artigo:

O alcobacense António Delgado está a lutar nos tribunais contra o que considera ilegalidades cometidas pelo Instituto Politécnico de Leiria (IPL) num concurso público para o cargo de professor na Escola Superior de Artes e Design (ESAD) de Caldas da Rainha. 

O alcobacense António Delgado está a lutar nos tribunais contra o que considera ilegalidades cometidas pelo Instituto Politécnico de Leiria (IPL) num concurso público para o cargo de professor na Escola Superior de Artes e Design (ESAD) de Caldas da Rainha. 

O docente ficou sem emprego na sequência da anulação de um concurso público que venceu em 2010, num caso revelado na semana passada pelo Expresso.

Depois de oito anos a dar aulas na ESAD, António Delgado foi surpreendido, no ano passado, com uma carta do Politécnico de Leiria, que informava que a instituição tinha decidido não repetir o concurso público, na sequência da decisão do Tribunal Administrativo de Lisboa tomada dois anos antes e que justificava a anulação com a “violação do princípio da divulgação atempada de critérios, métodos de seleção e classificação final”. 

Como não houve recurso do IPL a decisão transitou em julgado. O candidato que tinha apresentado recurso faleceu, mas o alcobacense, na prática, ficava sem posto de trabalho.

Esta decisão transformou por completo a vida do docente, que tinha deixado em 2010 a Universidade da Beira Interior, na Covilhã, para se mudar para Caldas da Rainha, após ter vencido o concurso público para o cargo de coordenador da área científica de Artes Plásticas. Como a Universidade da Beira Interior já tinha preenchido o lugar que tinha sido deixado vago, António Delgado ficou sem emprego, após oito anos na ESAD.

“O principal e único interessado na impugnação – o candidato da casa que não foi admitido a concurso – faleceu e nunca pediu a execução da sentença. Foi o Politécnico de Leiria a tomar as dores do interessado, logo a seguir à sua morte, transformando esta situação em incompreensível, kafkiana e alheia ao direito”, declarou o professor ao Expresso.

Ao Jornal de Leiria, o presidente do Politécnico explicou que a “impugnação judicial de um concurso não suspende a tramitação do mesmo, pelo que não tinha que tomar qualquer medida, nem podia”, pois o “processo judicial tinha que seguir o seu curso”. E acrescenta que o contrato assinado com António Delgado é legal, até porque “não foi intentada nenhuma providência cautelar para suspender o concurso”. Além disso, “a sentença determinou a anulação do concurso, não tendo condenado o Politécnico de Leiria à retoma do concurso”, considerou Rui Pedrosa.

 

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Futebol: Ginásio fica pelas meias-finais no Inatel

O Ginásio caiu nas meias-finais do taça nacional da Fundação Inatel. Os azuis soçobraram na deslocação ao reduto...

Colisão entre motociclo e veículo ligeiro provoca um morto na Nazaré

Um homem, de nacionalidade inglesa, morreu esta segunda-feira na Nazaré, na sequência de uma colisão entre um motociclo...

Uma “tasca” em alta rotação movida a gasolina e… caracol

Costuma dizer-se que quem anda à velocidade do caracol não chega propriamente rápido ao destino. Mas, por paradoxal...

Jovem detido por furto a residência em São Martinho do Porto

Um jovem de 25 anos foi detido, no dia 29 de junho, por furto em interior de residência...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!