Domingo, Novembro 27, 2022
Domingo, Novembro 27, 2022

Verba da madeira do incêndio em Pataias aplicada na reflorestação

Data:

Partilhar artigo:

Na sequência do grande incêndio de 2017, que consumiu cerca de 3 mil hectares de pinhal em Pataias, a Câmara de Alcobaça transferiu cerca de 300 mil euros para a União de Freguesias de Pataias e Martingança (UFPM) provenientes da venda da madeira ardida.

Na sequência do grande incêndio de 2017, que consumiu cerca de 3 mil hectares de pinhal em Pataias, a Câmara de Alcobaça transferiu cerca de 300 mil euros para a União de Freguesias de Pataias e Martingança (UFPM) provenientes da venda da madeira ardida. Metade do dinheiro já foi investido, tendo grande parte sido afeto à reflorestação, garantiu ao REGIÃO DE CISTER o presidente da UFPM.

O assunto tem motivado questões dos autarcas socialistas, tanto na Assembleia da UFPM como no executivo municipal, tendo o vereador César Santos perguntado, por diversas vezes, que projetos existem para alocar a verba entregue pelo município. “É muito dinheiro para não sabermos onde é aplicado”, reiterou o vereador do PS.

Região de Cister - Assine Já!

Ao REGIÃO DE CISTER,  Valter Ribeiro esclarece que ainda falta fazer parte da reflorestação “porque o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas [ICNF] falhou na entrega atempada das plantas” e “antes do verão era para estar reflorestada, com pinheiros mansos, toda a zona junto às piscinas municipais e à Lagoa de Pataias”, uma área que tinha ardido em 2015, mas na qual a UFPM aplicou parte da verba do incêndio de 2017. “Está tudo plantado do lado da Lagoa, faltando agora a zona referente ao outro lado da Estrada Atlântica”, adianta o social-democrata, que esclarece que, para além do dinheiro gasto na aquisição das plantas, cabem à Junta os custos da mão de obra da empreitada entregue à Associação de Produtores Florestais dos Concelhos de Alcobaça e Nazaré. A organização sediada em Pataias está também a plantar novas árvores no parque de merendas de Paredes da Vitória, depois de arrancadas as acácias, consideradas espécies invasoras. “Ali serão colocados pinheiros mansos e outras espécies de árvores que dão sombra”, garantiu Valter Ribeiro.

Toda a restante zona afetada pelo incêndio de 2017 será reflorestada com pinheiros bravos, em articulação com o ICNF, numa intervenção entretanto agendada para outubro deste ano.

A par da reflorestação em curso, foram afetos 45 mil euros à Associação de Bombeiros Voluntários de Pataias “naquilo que a corporação precisava”, disse também o autarca da UFPM.

O dinheiro entregue à UFPM serviu ainda para ações de sensibilização, nomeadamente a que aconteceu a 24 de novembro de 2019, com o lançamento do CD e livro “Eu sou a floresta”, uma obra que junta vários autores e músicos, patrocinada pela Junta, entre outras entidades, que se debruça sobre o Pinhal de Leiria e espaços circundantes, nas vertentes ambiental, cultural e histórica. Com a iniciativa, que decorreu no Clube Desportivo Pataiense, a UFPM ofereceu exemplares do CD às crianças “como forma de as alertar para a importância da nossa enorme área de pinhal”, disse ainda o autarca.

AD Footer

Artigos Relacionados

Hélder Roque assume direção clínica das clínicas do Grupo H Saúde

Hélder Roque é o novo diretor clínico da Clínica das Olhalvas- Leiria, da Policlínica Central da Benedita e...

Orquestra Típica e Coral de Alcobaça voltou aos palcos três anos depois

Depois de cerca de três anos com a atividade suspensa, a Orquestra Típica e Coral de Alcobaça voltou...

Degustação de vinhos e sabores locais apreciada por 1 milhar de pessoas no Vimeiro

A “I Degustação de vinhos e sabores da terra”, evento promovido pelo Círculo de Arte, Cultura e Desporto...

Ana Pagará reconduzida como diretora do Mosteiro de Alcobaça

Ana Pagará foi reconduzida no cargo de diretora do Mosteiro de Alcobaça, para uma comissão de serviço de...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!