Terça-feira, Julho 5, 2022
Terça-feira, Julho 5, 2022

Negócio das “pevideiras” sem estrangeiros ameaçado

Data:

Partilhar artigo:

O verão na Nazaré é sinónimo de clientes “acamados” [expressão nazarena que significa muita quantidade] e uma alegria que contagia quem por lá passa, seja na praia, no Sítio ou na Pederneira. No entanto, devido à pandemia da Covid-19, tudo leva a crer que este será um verão “triste”, em que a venda das pevides, tremoços, cajus e bolachas americanas deixou de ser o que era.

O verão na Nazaré é sinónimo de clientes “acamados” [expressão nazarena que significa muita quantidade] e uma alegria que contagia quem por lá passa, seja na praia, no Sítio ou na Pederneira. No entanto, devido à pandemia da Covid-19, tudo leva a crer que este será um verão “triste”, em que a venda das pevides, tremoços, cajus e bolachas americanas deixou de ser o que era.

“Isto está a ser muito complicado, não temos turistas e o cliente português compra pequenas quantidades que nem justificam estar na banca o dia todo”, desabafa ao REGIÃO DE CISTER Isabel Matias, de 56 anos, que estabeleceu a sua banca no Sítio há seis anos.

Filha de mãe peixeira e pai pescador, a nazarena revela que desde o período de desconfinamento não chega a vender um terço do que o vende em anos anteriores, por estas semanas do ano. “O público português tem pouco poder de compra e os turistas, que são o nosso grande público, não existem”, explica a comerciante, sublinhando que este tipo de negócios “vive” muitos dos “acordos” com os guias e da chegada de excursões. 

“Os guias trazem sempre os estrangeiros às nossas bancas e temos sempre boas receitas com eles”, conta Isabel Matias, lamentando que “este ano o terreiro do Sítio seja um lugar vazio”. “Onde está a Nazaré das enchentes na praia e do terreiro cheio?”, questiona, enquanto aponta para a praça.

“Falta as pessoas verem o nosso sorriso, que agora está tapado com a máscara, e as conversas que meia volta davam para vender alguma coisa”, lamenta a pevideira, como são conhecidas as mulheres que se dedicam a este negócio na Nazaré.

“Este verão está a relembrar os verões de há 20 ou 30 anos”, confessa a nazarena, notando que a divulgação das ondas gigantes trouxe “verões muito rentáveis para os negócios”, remata.

O mesmo sentimento é partilhado por Luísa Laborinho que, na banca da Luísinha, tem atendido pouco mais de meia dúzia de clientes por dia. “Estou aqui desde o passado dia 6 e só atendi um cliente estrangeiro”, conta, revelando que agora o horário de trabalho é mais reduzido. “Chego por volta das 10 horas e às 17 horas já estou a encerrar a banca”, informa a nazarena, lembrando os verões em que chegava ao Sítio às 8 horas e apenas ia embora às 21 horas.

“Neste momento apenas vendemos alguma coisa ao fim de semana, mas mesmo assim é muito pouco para quem chegava a fazer mais de 100 euros em dias bons de verões anteriores”. 

Em tempos normais, havia sete bancas a trabalhar ao mesmo tempo, mas nos últimos dias apenas cinco estão abertas durante a semana, entre as quais a de Maria do Carmo. A comerciante, que estabeleceu negócio no Sítio há várias décadas, revela que tem dias que apenas tem um cliente e que ainda não vendeu nada a estrangeiros. “Fazemos a nossa parte e acredito que  as vendas ainda vão melhorar, mas não têm sido tempos nada fáceis”, desabafa.

Resta a esperança às mulheres das sete saias para voltarem a vender e a manter viva uma das tradições da Nazaré.

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Colisão entre motociclo e veículo ligeiro provoca um morto na Nazaré

Um homem, de nacionalidade inglesa, morreu esta segunda-feira na Nazaré, na sequência de uma colisão entre um motociclo...

Uma “tasca” em alta rotação movida a gasolina e… caracol

Costuma dizer-se que quem anda à velocidade do caracol não chega propriamente rápido ao destino. Mas, por paradoxal...

Jovem detido por furto a residência em São Martinho do Porto

Um jovem de 25 anos foi detido, no dia 29 de junho, por furto em interior de residência...

Duas empresas de Alcobaça distinguidas como “Gazela 2021”

A construtora A.B. Inácio, LDA, sediada na Benedita, e a fabricante HC - Caixilharia LDA, localizada na Cela...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!