Quarta-feira, Julho 6, 2022
Quarta-feira, Julho 6, 2022

Tasca do Chefe abraça novo desafio após 35 anos

Data:

Partilhar artigo:

Foi na década de 1980 que Maria José Lino decidiu rumar a Évora de Alcobaça para reinventar um pequeno espaço comercial à entrada da freguesia. Quase quatro décadas depois, a “Tasca do Chefe” já enfrentou várias fases e, embora hoje a tasca esteja apenas presente no nome, o lema continua o mesmo: “abraçar a mudança e os desafios com um sorriso”. Hoje é café, restaurante e salsicharia. 

Foi na década de 1980 que Maria José Lino decidiu rumar a Évora de Alcobaça para reinventar um pequeno espaço comercial à entrada da freguesia. Quase quatro décadas depois, a “Tasca do Chefe” já enfrentou várias fases e, embora hoje a tasca esteja apenas presente no nome, o lema continua o mesmo: “abraçar a mudança e os desafios com um sorriso”. Hoje é café, restaurante e salsicharia. 

A experiência na gerência de espaços comerciais levou a sexagenária a aceitar o desafio de reabrir portas de um negócio “já com muita história” na Rua Nova Da Eira Velha. “Quando adquiri o espaço era uma mercearia, uma taberna e um talho. Acabámos por comprar três negócios de uma vez e sabíamos que o desafio era grande, mas optámos por arregaçar mangas e seguir em frente”, conta.

Depois de “profundas” obras de requalificação, a taberna e a mercearia deram lugar a um café e um restaurante. No entanto, o casal escolheu apenas manter o talho e apelidar o negócio de “Tasca do Chefe”. “Era necessário adaptar o negócio aos novos tempos e por isso decidimos mudar a oferta. Mas, na nossa opinião, fazia sentido manter o talho, principalmente para fornecer o novo restaurante”, explica a comerciante.  

Nos anos seguintes, a Tasca do Chefe satisfez as necessidades da comunidade no que refere a “um bife de excelência”, a “um café e dois dedos de conversa” ou “uma refeição caseira”. No entanto, no ano passado os proprietários tomaram a decisão de transformar o talho numa salsicharia e dedicar todas as atenções a este nicho de mercado, alugando o café e o restaurante. “Sempre foi uma das nossas especialidades e por isso decidimos mergulhar, novamente, de cabeça num novo desafio… apenas os dois”, graceja Maria José Lino, revelando o desafio de produzir o volume de produto necessário com apenas duas pessoas. Mas o negócio tem corrido bem, “na medida do possível para pequenos comerciantes numa terra pequena”. O segredo, conta Maria José Lino, é a forma tradicional como todo o processo é realizado, desde o corte manual da carne ao fumeiro a lenha. Os clientes são, na sua maioria, pequenas mercearias, mas há também o “cliente amigo”, que já sabe onde encontrar a qualidade.

Com a saúde do marido cada vez mais frágil, Maria José Lino não faz planos a longo prazo para a “Tasca do Chefe”. Por enquanto, o desejo é manter as portas abertas, continuar a enfrentar os desafios, abraçar cada nova oportunidade e dar as boas vinhas aos eborenses.  

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Futebol: Ginásio fica pelas meias-finais no Inatel

O Ginásio caiu nas meias-finais do taça nacional da Fundação Inatel. Os azuis soçobraram na deslocação ao reduto...

Colisão entre motociclo e veículo ligeiro provoca um morto na Nazaré

Um homem, de nacionalidade inglesa, morreu esta segunda-feira na Nazaré, na sequência de uma colisão entre um motociclo...

Uma “tasca” em alta rotação movida a gasolina e… caracol

Costuma dizer-se que quem anda à velocidade do caracol não chega propriamente rápido ao destino. Mas, por paradoxal...

Jovem detido por furto a residência em São Martinho do Porto

Um jovem de 25 anos foi detido, no dia 29 de junho, por furto em interior de residência...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!